Posso assegurar que a maioria das pessoas hoje não estão tão preocupadas com o número de anos que viverão quanto com a qualidade de vida desses anos. O número de anos que vivemos não costuma ser o fator mais importante quando se trata de avaliar nosso método de cuidados com a saúde. Quem quer viver até uma elevada idade sem poder reconhecer seus familiares, devido ao mal de Alzheimer? Quem anseia sofrer dores intensas nas articulações ou nas costas em função da artrite degenerativa?

 

    Se você tiver um ente querido sofrendo do mal de Alzheimer, sabe muito bem da ineficácia dos tratamentos. Ver um familiar perder lentamente o funcionamento razoável da mente e ficar aprisionado em seu próprio corpo é doloroso. Qualquer pessoa que tenha de lidar com o mal de Alzheimer dentro de sua família sabe como isso é difícil. Se você tem um ente querido que sofre de Alzheimer, sabe que é a qualidade e não a quantidade de vida que deve importar para a maioria de nós.

 

      As pessoas que sofrem com a degeneração macular, uma doença crônica que afeta a visão, visitam seus oftalmologistas frequentemente, mas ficam frustrados por saber que a única coisa que seu médico pode fazer é documentar o progresso de sua doença. Em alguns casos, o tratamento a laser feito só alcançou resultados mínimos.

 

   Uma vez perdida sua saúde, é mais difícil recuperá-la, não importa quanto você esteja disposto a gastar. Cabe a cada um avaliar a importância de sua própria saúde e o valor que atribui a ela.

 

Pesquisar no site

Ervas Medicinais Fonte de Saúde e Longevidade

Ervas Medicinais Fonte de Saúde e Longevidade