Avc - derrame , Aneurisma cerebral, Epilepsia com Calcificações Cerebrais, Esquizofrenia, Doença de Alzheimer, Parkinson. 

 

Lutando para criar drogas sintéticas para retardar os distúrbios de memória, pesquisadores modernos descartam remédios de ervas clinicamente comprovadas para estimular a regeneração.

Este é um módulo bem profundo desta série Patologias e Recomendações. Ofereço-lhes não só uma compreensão completa das patologias e perturbações do sistema nervoso comum, mas também uma visão geral das Fitoterapia Regenerativa. Quais os desequilíbrios que podem ser confrontados, as várias afecções sistêmicas e crônicas desse sistema e, finalmente, perspectivas e recomendações, sempre com o objetivo de prepará-lo concretamente para a prática clínica para atender esses casos. Estão cobertas, também noções mais avançadas, como a prevenção de várias doenças neurodegenerativas com plantas medicinais. 

 

 

 

AVC Acidente vascular cerebral.
 
 Um AVC pode afetar a todos e pode acontecer em qualquer idade

          As mais recentes notícias comprovam. Por hora, morrem dezenas de pessoas vítimas desta doença que, infelizmente, também já afeta a população mais nova. A idade é um fator de risco. Mas um acidente vascular cerebral pode afetar até crianças e bebes. Saiba mais sobre uma das principais causas de morte Brasil. O Acidente Vascular Cerebral, mais conhecido como AVC, é a primeira causa de morte no nosso país, em pessoas com mais de 60 anos.

         Como o AVC pode ser fatal em qualquer idade e "aparece sem aviso", nada melhor do que fazer prevenção. Para isso, é importante cuidar das suas artérias, da viscosidade do sangue e ter o controle da pressão.

   

        Atualmente, não há intervenções médicas e farmacêuticas que efetivamente previne ou reverta as condições clínicas do acidente vascular cerebral. Mas diversos estudos tem mostrado que há plantas medicinais e plantas alimentares que podem atuar nos fatores de risco de um acidente vascular encefálico, seja ele hemorrágico  ou isquêmico e podendo ajudar na prevenção do aneurisma e da agregação de plaquetas e na  recuperação dos danos causados pelo AVC.

 

       A formação de placas de gordura na parede das artérias leva a aterosclerose e pode obstruir veias e vasos do cérebro, causando o derrame.
 Uma das maiores armas, se não a principal para evitar o derrame é a ingestão de chás e alimentos que beneficiem os fatores relacionados à formação de coágulos.

        Há chás e alimentos que influenciam a viscosidade e fluidez do sangue, desmontando a formação de coágulos e impedindo que bloqueiem as veias do coração, cérebro, pernas e pulmões.

 

 

O que é o Aneurisma?

      Um aneurisma é uma dilatação anormal, localizada, de um vaso sanguíneo, em especial de uma artéria; ectasia arterial, podendo ocorrer em qualquer artéria do corpo, como as de coração, rim, cérebro e abdômen.  A maior parte dos aneurismas da aorta ocorre na sua porção abdominal, embora a aorta torácica também possa ser afetada. Um aneurisma da aorta pode romper, provocando uma hemorragia interna e assim pôr em risco a vida.

        O aneurisma cerebral é uma saliência em forma de balão que surge em uma ou mais artérias cerebrais por conta de um enfraquecimento da parede do vaso. O aneurisma tem uma parede muito mais fraca que a artéria saudável e, por isso, apresenta grande risco de rotura, podendo causar hemorragias cerebrais graves.

 

    Inflamação prevê risco de acidente vascular cerebral recorrente e mortalidade

      As pessoas que acabam de sofrer seu primeiro acidente vascular cerebral isquêmico, muitas vezes, têm elevados biomarcadores inflamatórios no sangue que indicam a sua probabilidade de ter outro acidente vascular cerebral ou um risco aumentado de morrer, de acordo com Columbia University Medical Center pesquisadores No Hospital New York-Presbyterian.

         Os resultados do novo estudo indicam que esses marcadores inflamatórios estão associados com o prognóstico de longo prazo após um primeiro acidente vascular cerebral e podem ajudar a orientar os cuidados clínicos para as pessoas que sofreram um primeiro acidente vascular cerebral.

         Um biomarcador chamado lipoproteína-fosfolipase associada A2 (Lp-PLA2), que foi aprovado pela FDA para prever o risco de primeiro acidente vascular cerebral, foi encontrado para ser um forte preditor de risco  de recorrência do AVC. Os pesquisadores também descobriram que níveis elevados de outro biomarcador chamado proteína C reativa de alta sensibilidade, um teste comumente usado para prever o risco de doença cardíaca, foi associado a acidentes vasculares cerebrais mais graves e um aumento do risco de mortalidade.

          "Uma melhor compreensão dos biomarcadores para risco de acidente vascular cerebral pode levar ao uso de tratamentos profiláticos para reduzir o risco de pessoas sofrer AVC debilitante", disse o autor principal Mitchell SV Elkind, MD, MS, professor associado de Neurologia na Columbia University College of Physicians and Cirurgiões e neurologista em NewYork-Presbyterian.

          A pesquisa foi conduzida com amostras de sangue de 467 pacientes que haviam acabado de sofrer seu primeiro acidente vascular cerebral isquêmico, a partir do Northern Manhattan Stroke Study, um estudo prospectivo a longo prazo entre pessoas do bairro de Washington Heights no norte de Manhattan e da área circundante. O estudo que começou em 1990, é gerido pelo Instituto Neurológico de Nova York no Columbia University Medical Center e Nova York-Presbiteriana, localizado em Washington Heights.

 

 Acidentes Vascular Cerebrais  e doenças Cardíacas: Níveis elevados de homocisteína aumentam o risco de danos nas artérias do coração e do cérebro. Um estudo sugeriu que cada aumento de 5 μmol / L no nível de homocisteína aumenta em 44% o risco de doença vascular periférica, a doença arterial coronariana em 25%, a doença cerebrovascular em 24% e qualquer doença cardiovascular em 39%. Em pessoas que têm diabetes tipo II ou tolerância à glicose diminuída, a homocisteína elevada representa um risco ainda maior para o sistema cardiovascular. Em um estudo, homens idosos com alta homocisteína tiveram quase o dobro do risco de ataque cardíaco e mais de quatro vezes o risco de acidente vascular cerebral, bem como seis vezes o risco de acidente vascular cerebral fatal.

 

              AVC: Níveis elevados de homocisteína foram independentemente associados com todos os tipos de AVC isquêmico, hemorrágico e embólico. Os sobreviventes de acidente vascular cerebral apresentaram maior probabilidade de apresentar níveis elevados de homocisteína (40%) do que indivíduos saudáveis ​​(6%).

 

         Coágulos sanguíneos: Um estudo descobriu que quando os níveis de homocisteína são elevados, o risco de coágulos sanguíneos perigosos (trombose venosa profunda) mais do que duplicou. Coágulos de sangue são potencialmente letais, uma vez que podem levar a ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

 

      AVC e doença Cardíaca Isquêmica: Reduzir os níveis de homocisteína pode diminuir o risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral. Estudos têm sugerido que baixar o nível de homocisteína em 3 μmol / L pode diminuir o risco de doença cardíaca isquêmica em 11-16%, enquanto diminui o risco de acidente vascular cerebral em 19-24%.

 

   Felizmente, podemos modular os níveis elevados de homocisteína usando terapias de ervas medicinais e nutricionais, como vitaminas B6 e B12, ácido fólico e trimetilglicina. Estas importantes estratégias podem nos ajudar a evitar a grande variedade de doenças que estão relacionadas aos níveis excessivos de homocisteína.

 

Proteina  C-Reactiva

      A proteína C-reativa (CRP) é um marcador inflamatório crítico. Abaixo de 1,0 (mg / L) de sangue é considerada um nível saudável de PCR. É recomendado um teste de sangue de proteína C reativa de alta sensibilidade para medir este indicador. Pode ser convenientemente solicitada com o teste lipídico dos pacientes. 

 

O controle consistente da pressão arterial pode reduzir a taxa de um segundo acidente vascular cerebral

Os sobreviventes de acidentes vasculares cerebrais que controlam consistentemente a sua pressão arterial podem reduzir a probabilidade de um segundo acidente vascular cerebral em mais de metade, de acordo com uma nova pesquisa na American Heart Association Journal Stroke

 

O controle intensivo da pressão arterial pode prevenir 100.000 mortes precoces a cada ano

Os pesquisadores têm projetado que a redução agressiva da pressão arterial poderia ajudar a prevenir mais de 100.000 mortes nos Estados Unidos a cada ano. O impacto da saúde pública de adotar tratamento intensivo nos pacientes certos é enorme, diz Adam Bress, professor assistente de ciências da saúde da população da Universidade de Utah.

 

Composição de plantas ajuda a recuperar movimentos de perdidos com o AVC

      O creme elaborado de uma composição de plantas tem ação relaxante que ajuda na recuperação pacientes com o sistema nervoso lesionado por doença vascular encefálica, lesões de medula, paralisia cerebral, traumatismo crânio-encefálico, esclerose múltipla, entre outras enfermidades que atingem a via nervosa.

A hemiparesia e espasticidade decorrentes do acidente vascular cerebral podem ser melhoradas com a massagem feita com o creme

Após a aplicação do creme no sistema nervoso neuromuscular evidencia-se atividade miorrelaxante e antiespasmódica e atividade antinociceptiva. Seu efeito na força muscular em músculos estriados e na espasticidade muscular após AVC é percebido geralmente em uma semana.

 

      As Fitossubstâncias com ações farmacológicas para ajudar nas doenças cerebrovascular e neurológicas

, bem como os links das evidências científicas dos respectivos estudos, estão disponíveis www.tiaxica.com/guia-ervas-nas-doencas-cerebrovascular

 

 

Pesquisar no site

Ervas Medicinais Fonte de Saúde e Longevidade

Ervas Medicinais Fonte de Saúde e Longevidade