A ingestão de Phyllanthus niruri é segura e não causa efeitos adversos significativos nos parâmetros metabólicos séricos. Ele aumenta a excreção urinária de magnésio e potássio, causando uma diminuição significativa do oxalato urinário e do ácido úrico em pacientes com hiperoxalúria e hiperuricosúria. O consumo de Phyllanthus niruri pode contribuir para a eliminação de cálculos urinários.
        Além do tratamento convencional para a litíase, as plantas medicinais são utilizadas há muito tempo em todo o mundo. Phyllanthus niruri ou “chá quebrador de pedras” é uma dessas alternativas naturais de baixo custo, fácil obtenção e baixa incidência de efeitos adversos. Até o momento, propriedades antiinflamatórias, anti-hiperuricêmicas e diuréticas foram descritas para essa planta. Embora muitos estudos tenham mostrado os efeitos benéficos do Phyllanthus e seu potencial para inibir a formação de cálculos renais, os estudos clínicos ainda são escassos

 

Phyllanthus niruri é uma erva distribuída em toda a região tropical e Regiões subtropicais de ambos os hemisférios. Phyllanthus é cultivado em todo o mundo em climas tropicais e subtropicais.
Disponível como suplemento dietético, os caules das folhas e a raiz da planta phyllanthus podem ser usados ​​para fazer chás, decocções, tinturas e extratos.
A planta inteira, folhas frescas são usadas no tratamento de várias doenças, particularmente Hepatite e outras infecções virais. Contém várias fitossubstâncias e propriedades. Os flavonoides, alcaloides, terpenoides, Lignanos, polifenóis, taninos, cumarinas e saponinas, foram identificadas a partir de diferentes partes de Planta.
Extratos desta erva têm provado ter efeitos terapêuticos em muitos estudos clínicos.
A planta é de Importância medicinal para numerosas doenças, tais como disenteria, gripe, vaginite, tumores, diabetes, diuréticos, icterícia, pedra nos rins, dispepsia, antihepatotóxico, antihepatite B, antihiperglicêmicos e também como antivirais.
O Extrato antibacteriano de P. niruri foi mostrado para inibir o ADN. Ação hepatoprotetora, redução de lipídios, ação antidiabética, ação antifúngica para nomear alguns.
Phyllanthus niruri tem um alcaloide Phyllanthoside nas folhas e no caule com atividade antiespasmódica forte. Ele serve como um agente relaxante para os músculos lisos e sua ação espasmolítica, provavelmente representa a eficácia da Phyllanthus niruri em expulsão de pedras (Grewal, 1984).
Phyllanthus niruri é uma erva distribuída em toda a região tropical e Regiões subtropicais de ambos os hemisférios.
 

 

Pedras nos rins
Phyllanthus é usado há muito tempo na medicina alternativa para prevenir e tratar pedras nos rins (também conhecidas como cálculos renais). Existem algumas evidências para apoiar esta afirmação.
De acordo com um estudo de 2018 no International Brazilian Journal of Urology, 56 adultos com cálculos renais que receberam uma série de infusões intravenosas de Phyllanthus niruri experimentaram uma redução de 37,5% no tamanho de seus cálculos após 12 semanas.
Além disso, a infusão diminuiu os níveis de ácido úrico e oxalato urinário que contribuem para o desenvolvimento de cálculos (sugerindo que o phyllanthus também pode ajudar a prevenir cálculos renais). Há poucas evidências de que o phyllanthus ingerido por via oral possa produzir quase o mesmo efeito.
Doença hepática
Os cientistas descobriram que certas espécies de Phyllanthus podem ajudar a prevenir inflamação e danos ao fígado. De acordo com um estudo de 2012 da Pharmaceutical Biology, extratos de Phyllanthus polyphyllus, Phyllanthus emblica e Phyllanthus indofischeri foram capazes de proteger as células do fígado (chamadas hepatócitos) do estresse oxidativo quando expostas ao peróxido de hidrogênio em uma série de estudos em tubo de ensaio.
Os resultados foram apoiados por um estudo de 2017 publicado na revista Nutrients no qual um extrato de 50% de Phyllanthus niruri pareceu interromper a progressão da doença hepática gordurosa não alcoólica em camundongos. O extrato não só foi capaz de normalizar as enzimas hepáticas, mas também não houve sinais de fibrose (cicatrizes) nas amostras de tecido hepático. Esses efeitos foram atribuídos a um polifenol vegetal denominado Filantina, exclusivo do gênero Phyllanthus. Mais pesquisas são necessárias para determinar se os mesmos efeitos podem ser alcançados em humanos.
Hepatite B
A hepatite B é uma forma de hepatite viral que pode causar inflamação e danos ao fígado a longo prazo. Desde a década de 1990, estudos têm sugerido que phyllanthus pode erradicar o vírus da hepatite B, efetivamente "curando" os usuários da infecção crônica.
Muitos desses estudos foram criticados por incluir indivíduos com infecção aguda na pesquisa. Em pessoas com hepatite B aguda (o que significa que foram infectadas recentemente), até 90% terão eliminação espontânea do vírus sem tratamento. 3 Apenas um pequeno número irá progredir para uma infecção hepatite B crônica, alguns dos quais podem nunca apresentar sintomas.
Afirmações de que o phyllanthus pode "curar" ou "tratar" a hepatite B são improváveis, visto que as infecções crônicas por hepatite B não são apenas incuráveis, mas também variáveis ​​em sua progressão.
Isso foi repetido em uma revisão de 2011 no Cochrane Database of Systematic Reviews, em que os investigadores afirmaram que não havia "nenhuma evidência convincente de que o phyllanthus, em comparação com o placebo, beneficia os pacientes com infecção hepatite B crônica".

 

Saúde do coração: apoiando a remoção das toxinas do corpo de uma forma natural e melhorando a digestão, os benefícios de saúde do Phyllanthus podem incluir o aumento do metabolismo, ajudando com as síndromes metabólicas e melhorando a energia. Phyllanthus suporta um equilíbrio de colesterol saudável e pode reduzir a hipertensão, ajudando assim a manter a saúde cardíaca.
Envelhecimento e cognição: acredita-se que o Phyllanthus ajuda com problemas cognitivos relacionados à idade. Em um estudo murino, o extrato de Phyllanthus produziu uma melhora dependente da dose nos escores de memória de camundongos jovens e mais velhos. Phyllanthus também reverteu com sucesso a amnésia induzida por Escopolamina e Diazepam.
Curiosamente, a atividade da Acetilcolinesterase cerebral também foi reduzida. De acordo com os pesquisadores, o mecanismo de ação subjacente para o efeito nootrópico observado pode ser atribuído à atividade pró-colinérgica. Eles prosseguiram dizendo que valeria a pena explorar o potencial terapêutico de Phyllanthus no tratamento de pacientes com distúrbios cognitivos.
 
Problemas digestivos e intestinais: Os benefícios de saúde do Phyllanthus incluem a promoção de uma digestão saudável e o tratamento de distúrbios digestivos. De acordo com o sistema de medicina Unani, Phyllanthus é usado para estimular a digestão no estômago e é útil para feridas, disenteria crônica e icterícia. Também é usado para  constipação, sistema intestinal irritável, flatulência, úlceras, vômitos, febre intermitente, pedras nos rins e hemorroidas. Ele mantém a eliminação regular, ajudando a limpar as toxinas acumuladas no intestino.
Atividade antiespasmódica: a forte atividade antiespasmódica do Phyllanthus niruri serve como um agente relaxante para os músculos lisos, o que provavelmente é responsável pela eficácia do Phyllanthus niruri na expulsão de cálculos renais e biliares.
Propriedades antioxidantes: Phyllanthus niruri tem propriedades antioxidantes poderosas - não apenas inibe a produção de espécies reativas de oxigênio, mas também estimula a produção de superóxido dismutase pelo corpo, reduz a peroxidação lipídica e elimina os radicais livres. Phyllanthus é muitas vezes mais poderoso do que os antioxidantes dietéticos (como a vitamina C e E) para ajudar seu corpo a neutralizar as espécies reativas de oxigênio.
Câncer
Alguns cientistas acreditam que o phyllanthus tem propriedades antitumorais que podem um dia levar ao desenvolvimento de uma nova classe de medicamentos contra o câncer.
Um estudo de 2010 publicado na Phytotherapy Research teve como objetivo avaliar o efeito da Phyllanthus emblica (também conhecida como a groselha indiana) em linhas de células cancerosas humanas . Em uma série de experimentos com animais e tubos de ensaio, os cientistas relataram que um extrato de Phyllanthus emblica foi capaz de retardar o crescimento do tumor induzindo a apoptose (morte celular programada) em uma ampla gama de células cancerosas.
Ao contrário das células normais que sofrem apoptose (para que as células velhas possam ser substituídas por novas células), as células cancerosas são efetivamente "imortais" e não sofrem apoptose.
Por mais positivos que os resultados pareçam, muitas substâncias de origem vegetal podem desencadear a apoptose no tubo de ensaio. Que o phyllanthus foi capaz de reduzir o tamanho do tumor em 50% em ratos sugere que ele pode ter aplicações no mundo real. Mais pesquisas são necessárias.
Phyllanthus niruri é a erva chamada de quebra - pedra
O consumo de Phyllanthus niruri reduz o antígeno da hepatite B do soro de pacientes com hepatite B crônica.Pubmed 7561442 Estudo Humano
Phyllanthus niruri é útil na prevenção ou no atraso do desenvolvimento da cirrose associada ao VHB ao carcinoma hepatocelular.
Pubmed 23529834 Publicado 24/03/2013 Estudo Humano
Um extrato de Phyllanthus niruri demonstra atividade antiplaquetária e antitrombose com menos efeitos colaterais de sangramento em comparação com aspirina ou uroquinase.Pubmed 15339469  Estudo Animal
Phyllanthus niruri melhora a gravidade do fígado gorduroso induzido pela dieta Pubmed 18157836  Estudo Animal in vitro e in vivo.
 
Obs: há mais 28 estudos como estes acima relacionados, mostrando a eficácia do quebra-pedra na prevenção e no tratamento de diversas doenças
Ao clicar nos números grifados você será direcionado ao resumo da publicação científica.
 
 

 

Seleção, preparação e armazenamento
Phyllanthus é mais comumente vendido como uma erva seca ou suplemento dietético. Phyllanthus fresco é geralmente considerado uma erva daninha e pode ser colhido na natureza, embora um horticultor possa ser necessário para identificar a espécie. Certas espécies, como Phyllanthus amarus, são conhecidas por causar toxicidade leve.
A colheita de phyllanthus selvagem também é uma preocupação, pois não há como saber se ele foi contaminado com herbicidas ou se absorveu metais pesados ​​e outros contaminantes das águas subterrâneas.
Os suplementos de Phyllanthus podem ser mais seguros, mas ainda assim apresentam riscos. Como os suplementos dietéticos não são regulamentados nos Estados Unidos, algumas marcas podem ser mais seguras do que outras. Para melhor garantir qualidade e segurança, opte por marcas que foram testadas de forma independente por um organismo de certificação como a Farmacopeia dos EUA (USP), NSF International ou ConsumerLab.
Infelizmente, poucos produtos NATURAIS são submetidos à certificação de qualidade. Isso pode representar sérios riscos para o consumidor.
  • Evite a sobredosagem. Mais nem sempre é melhor. Como regra, nunca exceda a dosagem indicada no rótulo do produto. Isso não garante necessariamente que o produto seja seguro ou eficaz, mas pode reduzir o risco de efeitos colaterais gastrointestinais.