Calcificação

    A calcificação é uma desordem indesejável, que ocorre frequentemente nos vasos do coração e na artéria carótida. Em geral, a formação de lesões vasculares calcificas envolve eventos físico-químicos e moleculares complexos.

Neste tópico vamos abordar as calcificações das artérias, mas falarei um pouco das outras calcificações

 A calcificação é o acúmulo de depósitos de cálcio em lugares como os pulmões, baço, o coração, as articulações e as artérias. Esse excesso pode fazer com que os tecidos endureçam, causando assim a calcificação. Às vezes a calcificação é difícil de ser diagnosticada, e ela é perigosa porque leva a muitos problemas de saúde bem sérios. Um exemplo se a calcificação afetar as articulações, elas podem inchar e aumentar quando o depósito de cálcio é muito grande, isso pode provocar dor e restringir o movimento.

      A calcificação (hidroxiapatite) é iniciada por lesão e é progredida por fatores promotores e / ou déficit de sinais inibitórios.

A calcificação patológica em tecidos moles (calcificação ectópica) pode ter consequências graves. A hidroxiapatita é a fase mineral comum presente em todas as calcificações teciduais. Em geral, o desenvolvimento de calcificações teciduais requer uma lesão pré-existente como indutor (nucleante heterogêneo), enquanto que uma progressão posterior requer a presença de outros fatores promotores tais como hipercalcemia, ou hiperfosfatemia,  ou uma deficiência nos fatores repressores de calcificação ou inibidores de cristalização e mecanismos de defesa celular.

 Abordamos aqui alguns dos estudos para calcificação Vascular, calcificação Arterial e Cerebral.

Calcificação ectópica

Cálculo renal > Pedras nos rins

Calcificações Cerebrais

Calcificações esplênicas

Cálculos biliares

Calcificação da Glândula Pineal

Calcificação aórtica

 

O uso suplementar de Cálcio foi associado ao volume de lesão cerebral, doenças cardíacas, aneurismas (AVC) e calcificação da mama.

   A realidade é que o hábito de consumir Cálcio inorgânico e elementar simplesmente não faz sentido. A ideia de tomar Cálcio em forma de comprimido ou cápsulas para "manter os ossos fortes" simplesmente não faz tanto sentido dado, primeiro, que somos projetados para obter o nosso cálcio a partir de alimentos.

  Em segundo lugar, nosso osso é um tecido vivo, que requer Vitamina C, Aminoácidos, Magnésio, Sílica, Vitaminas D e K, etc., e atividade física regular, tanto quanto o Cálcio. Tomar Cálcio com exclusão desses outros fatores críticos não faz sentido e nem faz sentido olhar a osteoporose como uma deficiência de suplemento de Cálcio! Devemos rejeitar fontes de cálcio de baixa qualidade tais como pedras, ossos, conchas e calcário, a favor da obtenção de cálcio a partir dos alimentos. O presente estudo demonstra que o uso de suplementos dietéticos contendo Cálcio, mesmo em doses baixas, por adultos mais velhos pode estar associado a maiores volumes de lesões cerebrais.

Os pesquisadores concluíram o estudo da seguinte forma:

O uso de suplementos contendo cálcio por adultos mais velhos foi associado a maiores volumes de lesões cerebrais, mesmo depois de controlar a quantidade usual de ingestão dietética de Cálcio. Esses achados indicam que os efeitos bioquímicos adversos do uso de Cálcio podem existir em adultos mais velhos, independentemente da dose.

Um estudo importante publicado no ano passado no British Journal of Nutrition  Volume elevado de lesões cerebrais em adultos mais velhos que usam suplementos de Cálcio: um estudo de observação clínica transversal, o estudo analisou a possibilidade de que, desde que os suplementos de cálcio já tenham sido associados em múltiplos estudos com patologias vasculares associadas a doenças cardiovasculares, eles podem também estar associados à ocorrência de lesões cerebrais mostradas em exames de MRI em adultos mais velhos. Estas lesões cerebrais são conhecidas por serem causadas por falta de fluxo sanguíneo (isquemia) e subsequentes danos neurológicos.

 Qual é o mecanismo dessa associação?

      Os pesquisadores discutiram o vínculo já estabelecido entre a suplementação de cálcio e o aumento do risco isquêmico de AVC, indicando que a suplementação de cálcio pode contribuir para depósitos de Cálcio no sistema vascular isto é, calcificação arterial, principalmente nos depósitos de gordura (ateromas) que contribuem para bloquear a abertura dos vasos sanguíneos.

   Os pesquisadores afirmam que esse processo pode levar à falta de fluxo sanguíneo e a posterior privação de oxigênio, levando ao desenvolvimento de lesões cerebrais e isquemia. Outro mecanismo pelo qual o excesso de cálcio pode ter um efeito neurotóxico direto no cérebro é o influxo de cálcio em excesso nas células cerebrais, o que leva à morte celular. Esta possibilidade é grandemente aumentada se a barreira hematoencefálica estiver comprometida.

   A influência do uso suplementar de Cálcio no volume da lesão foi de uma magnitude semelhante à da influência da hipertensão, um fator de risco bem estabelecido para lesões. Os pesquisadores também destacaram a importância da descoberta de que a suplementação de cálcio pode ter um efeito deletério significativo nas lesões cerebrais já causadas pela pressão alta (hipertensão), promovendo o seu agravamento.

   De acordo com o estudo, as lesões cerebrais são observadas na RM do cérebro. Essas lesões são comuns em adultos mais velhos e aumentam o risco de resultados devastadores na saúde, incluindo depressão, declínio cognitivo, demência e acidente vascular cerebral. Os estudos pós-morte determinaram que essas lesões se originam principalmente de isquemia, especialmente lesões maiores (0,3mm) e lesões encontradas em indivíduos deprimidos.

   O estudo observacional matriculou 227 adultos de 60 anos e acima e avaliou a ingestão de cálcio e suplemento de Cálcio. Os participantes com uso suplementar de Cálcio acima de zero foram categorizados como usuários de suplementos. Os volumes de lesão foram avaliados com exames de ressonância magnética.

As principais descobertas foram:

Foram encontrados maiores volumes de lesões entre os usuários de suplementos de Cálcio do que os não usuários

A influência dos suplementos de Cálcio foi de uma magnitude semelhante à da influência da hipertensão arterial (hipertensão), "um fator de risco bem estabelecido para lesões".

O estudo descobriu que a quantidade de cálcio utilizado não estava associada ao volume da lesão e que "mesmo os suplementos de baixa dose, por adultos mais velhos podem estar associados a maiores volumes de lesões". Mesmo depois de controlar a ingestão de Cálcio a associação entre os suplementos de Cálcio e os volumes de lesões manteve-se forte.

Então, o que fazemos em vez de tomar suplementos de Cálcio?

Porque você acha que precisa de suplementos de Cálcio.

Primeiro, as propagandas em rádios, TVs e revistas dizem que você precisa tomar o Cálcio que eles anunciam. Segundo, as indústrias de laticínios promovem por décadas o conceito de que precisamos de Cálcio a partir do leite e seus derivados?

 Para repor o  Cálcio, utilize-se de fontes de alimento.

   O Cálcio, embora importante, é apenas um componente mineral singular envolvido na criação do tecido altamente complexo, que é o osso humano. A partir do osso embrionário do qual nasce a sua forma cristalizada, composta por proteínas, por outros minerais que ajudam a assegurar a estrutura apropriada do osso, a nossa saúde esquelética é tão complexa quanto nossa saúde digestiva ou neurológica; simplesmente lançar cálcio no problema não fará com que nosso osso, ou nós, ficaremos mais saudáveis.

   O corpo tenta desfazer-se desse Cálcio inapropriado e vai despejá-lo no intestino, isso causa a constipação ou empurra-o através dos rins formando pedras. Pior ainda, níveis elevados de Cálcio podem se acumular no sangue (hipercalcêmica), o que pode contribuir para desestabilizar a placa aterosclerótica através da formação de uma cápsula de Cálcio quebradiça no ateroma, pode contribuir para a formação de trombose (coágulo) e hipertensão (é por isso que se usa os Bloqueadores dos canais de Cálcio no tratamento da hipertensão) e pode causar espasmos das artérias (um gatilho bastante comum, embora raramente reconhecido de "ataque cardíaco").

Por que nós obsessivamente consumimos cálcio de ossos, de concha de ostra e de calcário dolomítico?

    As pessoas realmente não devem ficar tão surpresas com a ideia de que a suplementação de  Cálcio pode ser tóxica para a saúde cardiovascular.  Isso ocorre porque sabemos que o  álcio do tipo errado e no lugar errado pode resultar em efeitos adversos graves para a saúde.

   Há, na verdade poucos profissionais do campo da nutrição (nutricionistas e nutrólogos) que avisam e até são contra a suplementação com cálcio elementar; ou seja,  álcio a partir de calcário, concha de ostra, casca de ovo e farinha de ossos (hidroxilapatita).

Há também aqueles que não precisavam ser "especialistas", para entender que é de bom senso não comer pedras ou conchas de ostras.

 

A quantidade de cálcio nas artérias coronárias prediz o risco de ataque cardíaco.

     O cálcio se acumula de forma constante na placa e sua presença é verificável através de exame microscópico desde os primeiros estágios da formação doença. Ter um acúmulo de placas de cálcio nas artérias significa aumento do risco de ataques cardíacos e morte por doença cardíaca de acordo com as conclusões do estudo Multi-Ethnic de Aterosclerose (MESA) financiados pelo National Heart, Lung, and Blood Institute.

   Dr. James Howenstein diz "calcificação em tecidos celulares é um sinal de danos nos tecidos, envelhecimento celular e morte celular eminente.

     O escore de cálcio coronário é uma ferramenta para medir e acompanhar o risco de doença cardíaca, e é mais valioso e preciso do que outros marcadores tradicionais, tais como o colesterol total. A American Heart Association negou durante anos que escore de cálcio é um marcador válido para o risco de doença cardíaca. Mas a AHA se retratou e, finalmente, admitiu que o escore de cálcio coronariano prediz confiavelmente o risco de ataque cardíaco.

        O cardiologista, Dr. Matt Budoff, diz que a quantidade total de cálcio coronário (escore Agatston) prevê eventos de doença coronariana além fatores de risco padrão.  Dr. Detrano, em um artigo recente no New England of Medicine, também disse que o escore de cálcio coronário é um forte preditor de incidente de doença cardíaca coronária e fornece informações preditivas além das fornecidas por fatores de risco padrão.

      As pessoas com níveis elevados de homocisteína apresentaram mais calcificação das artérias coronárias do que as pessoas com valores mais baixos de homocisteína. A calcificação da artéria coronária é uma medida da gravidade da doença arterial coronariana.

Calcificação das artérias

    Calcificação dos tecidos moles (tecido conjuntivo, ligamentos, músculos, artérias) é encontrada em muitos estados de doenças, e geralmente é identificado em lâminas de patologia de tecidos.

 

Por que isso acontece?

Sempre que há morte celular ou necrose tissular (morte das células), o corpo estimula e invoca um processo de calcificação, que é considerado como parte de um processo de cura. Estudos de patologia têm mostrado formas de cálcio em áreas de ruptura de uma placa.

     À medida que envelhecemos, os depósitos de cálcio tendem a se acumular em nossos tecidos moles, como as artérias. A calcificação pode levar ao desenvolvimento de isquemia do miocárdio, enfarte do miocárdio, a função miocárdica diminuída, insuficiência cardíaca congestiva, insuficiência das válvulas cardíacas e arritmias cardíacas.

     Ocorre que, à medida que envelhecemos, a placa de cálcio vai ampliando e obstrui o fluxo do sangue, causando um ataque cardíaco. Outro cenário comum é a ruptura da placa que expõe os detritos inflamatórios da placa para circular no sangue. Isto pode resultar em formação de coágulos (trombose), resultando em um ataque cardíaco e morte súbita, possivelmente.

    A Calcificação da artéria coronária é comum, é grave e está significativamente associado com doença isquêmica cardiovascular em pacientes com doença renal em pessoas idosas. A calcificação arterial é, na verdade, uma forma de formação dura na parede da artéria desencadeada por um processo inflamatório.

 Calcificação dos seios

       Os seios também são sensíveis à calcificação ectópica, razão pela qual usamos as mesmas raios-x para determinar a densidade óssea que fazemos para discernir micro calcificações patológicas na mama, ou seja, mamografia. Devido ao fato de que os cristais de hidroxilapatita encontrados no tecido mamário maligno podem atuar como uma "molécula de sinalização" celular ou mitogênio (induzindo proliferação celular), é possível que certas calcificações mamárias possam ser uma causa, e não apenas um efeito, das Lesões tumorais ("câncer da mama") encontradas lá. Isso também pode ajudar a explicar por que as mulheres com maior densidade óssea (muitas vezes obtidas através de suplementos de cálcio maciços e ao longo da vida) têm uma incidência de até 300% maior de câncer de mama maligno.

      O "cascalho cerebral" também é um fenômeno cada vez mais prevalente, onde em pacientes autopsiados foi encontrado depósitos de cálcio de tamanho grandes distribuídos ao longo de seus cérebros, incluindo a glândula pineal. A ampla gama de patologias existentes associadas ao cálcio e sua crescente prevalência em pessoas fixadas em uso do cálcio exigem mais investigação e explicação.

      Um aspecto disso, sem dúvida, é a fixação obsessiva induzida por propaganda da suplementação de mega-dose de cálcio para "condições" não existentes associadas à densidade mineral óssea que é normal para a nossa idade, mas não para os nossos médicos, os "especialistas” e os vendedores de suplemento de cálcio, que, infelizmente, nos guia com informações erradas para faturar com a ignorância da população.

 Pedras de cálcio no cérebro

As calcificações da glândula pineal após a dissecção se assemelham ao cascalho e são constituídas por calcita (carbonato de cálcio) e ou hidroxilapatita de cálcio, a qual não é diferente da dentina ou do osso [ Fonte ]

A calcificação da glândula pineal está associada a uma série de doenças na literatura médica:

  • Doença de Alzheimer
  • Doença Bipolar
  • Desregulação circadiana
  • Desequilíbrios hormonais: baixa melatonina
  • Insônia
  • Dor lombar
  • Doença de Parkinson
  • Esquizofrenia
  • Distúrbios do sono
  • Acidente vascular encefálico

 

 Estudos mostraram alguns fatores de riscos para a calcificação das artérias

A deficiência de vitamina D apresentou associação positiva significativa com a presença de calcificação coronariana. Pubmed 27315115

Evidências mostram que a deficiência de Vit. K pode contribuir para o desenvolvimento de placa cardiovascular (aumento da espessura da camada íntima) e a suplementação pode reverter ou prevenir o processo de calcificação.Pubmed 17138823

Os depósitos de carbonato de cálcio foram encontrados nas paredes das principais artérias na aterosclerose. Pubmed 6639399

Efeito da fluoração da água sobre o desenvolvimento de calcificação vascular medial em ratos urêmicos.Pubmed 24561004

 Pacientes com maior perda de dentes têm maior prevalência de calcificação da artéria carótida. Pubmed 27566532

Os suplementos de carbonato de cálcio estão associados à calcificação aórtica em pacientes em hemodiálise. Pubmed 19016145

Altos níveis de consumo de bebidas adoçadas com açúcar estão associados a uma maior prevalência e grau de cálcio da artéria coronáriaPubmed 27297845

A terapia com estatinas foi associada a maior progressão da calcificação das artérias coronárias. Pubmed 28036114

O uso de estatinas está associado a um aumento da prevalência e extensão das placas coronárias que possuem cálcio. Pubmed 22981406

O uso mais frequente de estatinas está associado à calcificação acelerada das artérias coronárias em uma subpopulação, a calcificação aórtica, em pacientes com DM2 com aterosclerose avançada. Pubmed 22875226

A progressão da calcificação das artérias coronárias em pacientes em pré-diálise é paralela à quantidade de carbonato de cálcio que consomem. Pubmed 17805238

Existe uma associação de captação de fluoreto vascular com calcificação vascular e doença arterial coronariana. Pubmed 21946616

O uso de warfarina aumenta o risco de calcificação valvular. Pubmed 19793187

A rigidez arterial e a calcificação vascular na doença renal em estágio final são adversamente afetadas pela dose de carbonato de cálcio ingerida. Pubmed 10862640

 A aterosclerose calcificada está diretamente implicada nas patogêneses da aorta abdominal e das artérias ilíacas. Pubmed 18515037

 Independente de seus efeitos regressivos na placa, as estatinas promovem a calcificação do ateroma coronariano. Pubmed 25835438

 

Como podemos prevenir a calcificação da glândula pineal?

A eliminação da exposição ao flúor é a prioridade número1. Podemos começar sendo cuidadosos com  flúor no Teflon, nos alimentos e bebidas produzidos com água da torneira, fórmula infantil, em pasta de dente, etc.

Coletei vários estudos na Pubmed sobre substâncias naturais que mitigam a toxicidade do flúor.  Encontrar fitossubstâncias que previnam ou invertem outras formas de calcificação patológica que podem ter relevância para a calcificação da glândula pineal, como a calcificação ectópica. Por fim, há pesquisas sobre o valor potencial do magnésio e do fitato na redução da calcificação da glândula pineal.

 

Calcificação Arterial

O Extrato de Alho Envelhecido inibe a taxa de progressão da calcificação coronariana em pacientes que recebem terapia com estatinas. Pubmed 15475033

Extrato de alho envelhecido suplementado com Vitaminas B, B-12, ácido Fólico e L-Arginina retarda a progressão da aterosclerose subclínica.Pubmed 19573556

Extrato de alho envelhecido com suplemento está associado com aumento no tecido adiposo marrom, diminuição no tecido adiposo branco e predição de falta de progressão na aterosclerose coronariana. Pubmed 23453866

A rigidez arterial e a calcificação vascular na doença renal terminal são prejudicadas pela dose de Carbonato de Cálcio ingerida. Pubmed 10862640

A aterosclerose calcificada está diretamente implicada na patogênese da aorta abdominal e das artérias ilíacas. Pubmed 18515037

Suplementos de Carbonato de Cálcio estão associados à calcificação aórtica em pacientes em hemodiálise. Pubmed 19016145

O consumo elevado de Menaquinona (Vitamina K2) na dieta está associado à redução da calcificação coronariana. Pubmed 18722618

Altos níveis de consumo de bebidas açucaradas estão associados a uma maior prevalência e grau de Cálcio nas artérias coronárias. Pubmed 27297845

O Magnésio pode ter um efeito favorável na calcificação da artéria coronária. Pubmed 19469885

O uso mais frequente de estatinas está associado à calcificação arterial coronariana acelerada e à subcopulação da calcificação aórtica em pacientes com DM2 com aterosclerose avançada.

As drogas estatinas já são conhecidas por aumentar muito o risco de desenvolver diabetes tipo 2, mas pesquisas recém-publicadas agora indicam que elas também aceleram as complicações cardiovasculares associadas à doença, incluindo calcificações nas artérias coronárias e nas artérias aórticas. Pubmed 22875226

O ômega-3 e a suplementação de Vitamina D resultam em uma redução substancial nos escores de cálcio coronário e no crescimento lento da placa. Pubme19092644

Pacientes com maior perda dentária têm maior prevalência de calcificação da artéria carótida. Pubmed 27566532

A terapia com estatinas foi associada com maior progressão da calcificação da artéria coronária. Pubmed 28036114

O uso de estatinas está associado a um aumento na prevalência e extensão das placas coronárias que possuem cálcio. Pubmed 22981406

A progressão da calcificação da artéria coronária em pacientes pré-diálise é acompanhada pela quantidade de carbonato de cálcio que consomem.Pubmed 17805238

Existe uma associação de captação vascular de flúor com calcificação vascular e doença arterial coronariana. Pubmed 21946616

A deficiência de Vitamina D teve uma associação positiva significativa com a presença de calcificação da artéria coronária. Pubmed  27315115

Suplementação de Vitamina K inibe a progressão da calcificação da artéria coronária em homens e mulheres idosos. Pubmed 19386744

O uso de Varfarina aumenta o risco de calcificação valvular. Pubmed 19793187

Depósitos de Carbonato de Cálcio foram encontrados nas paredes das artérias principais na aterosclerose. Pubmed 6639399

Efeito da fluoretação da água (Fluoreto) no desenvolvimento da calcificação vascular medial em ratos urêmicos. Pubmed 24561004

Evidências mostram que a deficiência de Vit. O K pode contribuir para o desenvolvimento da placa cardiovascular (aumento da espessura média íntima) e a suplementação pode reverter ou impedir o processo de calcificação. Pubmed 17138823

Cisteína N-Acetilcisteína inibe a arteriosclerose em coelhos urêmicos. Pubme18356775

Fitato inibe a calcificação vascular. Pubmed 17587727  

O Fitato evita calcificações nos tecidos de ratos fêmeas. Pubmed 10875304

A Vitamina K2 pode inibir a calcificação da íntima aórtica em camundongos. Pubmed 28587577

O flúor é um fator no envelhecimento precoce e afeta os efeitos adversos à saúde.Pubmed 16892576

Alho inibe a formação de placas arterioscleróticas, in vitro. Pubmed 15638070 

Espinheiro, Cebola e Alho podem dissolver os cristais de hidroxiapatita associados à arteriosclerose. Pubmed 15232901

O Magnésio impede a calcificação vascular in vitro pela inibição da formação de cristais de hidroxiapatita. Pubmed 29391410

O Magnésio reduz a calcificação em células musculares lisas vasculares bovinas de maneira dose-dependente. Pubmed 21750166

A Vitamina K pode ser eficaz na prevenção e tratamento da osteoporose e calcificação arterial. Pubmed 16030366

A Vitamina K pode reduzir o risco de aterosclerose. Pubmed 18196985

Suplementação de Vitamina K e Vitamina K2 pode ser útil para uma série de condições crônicas. Pubmed 28698808

A Vitamina K2 pode ser uma estratégia interessante para beneficiar a saúde óssea e vascular. Pubmed 27437760

O Hexafosfato de Inositol (fitato) inibe a calcificação do sistema cardiovascular. Pubmed  16146720

 

 

Calcificação aórtica

O consumo adequado de fitato pode prevenir a calcificação da aorta abdominal em pacientes com doença renal crônica. Pubmed 26975775

O Cálcio valvular aórtico estava associado ao aumento da mortalidade por todas as causas, independente dos fatores de risco tradicionais e da presença de cálcio nas artérias coronárias. Pubmed 21055710

A ingestão de Menaquinona (Vitamina K2) está associada a um risco reduzido de doença coronariana, mortalidade cardíaca, calcificação aórtica e mortalidade por todas as causas. Pubmed  15514282

O uso mais frequente de estatinas está associado à calcificação arterial coronariana acelerada e à subcopulação da calcificação aórtica em pacientes com DM2 com aterosclerose avançada. Pubmed 22875226   

A calcificação da glândula pineal, a degeneração do disco intervertebral lombar e a aterosclerose calcificante da aorta abdominal correlacionam-se em indivíduos com lombalgia: um estudo de TC observacional transversal. Pubmed 18215511   

O uso de Varfarina aumenta o risco de calcificação valvular. Pubmed 19793187    

EPA Ácido Eicosapentaenóico e ácido Lipóico reduzem a calcificação ectópica renal e aórtica em ratos. Pubmed  9844996   

A inibição da calcificação aórtica por policosanol em coelhos dislipidêmicos é aumentada pela Pentoxifilina. Pubmed   29742924   

A deficiência de magnésio está associada ao aumento da calcificação aórtica em ratos com insuficiência renal (ratos urêmicos). Pubmed 8948519   

O Fitato inibe a calcificação vascular. Pubmed 17587727   

O Magnésio impede a calcificação induzida por fosfato nas células musculares lisas da aorta humana.  Pubmed 23229924   

 

 

Cálculos biliares

 Estas especiarias impedem a indução de cálculos biliares de colesterol pela dieta de colesterol elevado litogênico e também regridem os cálculos biliares de colesterol pré-estabelecidos. 

Potencial anticolelitogênico das Especiarias e seus Bioativos.

Especiarias hipocolesterolêmicas na dieta - Curcumina (composto ativo de Cúrcuma (Cúrcuma longa) e caspiíssima (composto ativo de pimenta vermelha (Capsicum annuum), os princípios ativos das especiarias - Cúrcuma longa (açafrão da india ) e pimenta vermelha (Capsicum annuum), Fenogrego (Trigonella Fenum -graecum), alho (Allium sativum) e Cebola (Allium cepa) são anticolelitogênicas em modelo animal, que previnem a indução de cálculos biliares de colesterol pela dieta de colesterol alto litogênico e também regridem o colesterol pré-estabelecido cálculos biliares, em virtude de seu potencial Hipolipemiantes. A influência antilitogênica dessas especiarias é principalmente atribuível ao seu efeito hipocolesterolêmico. Um aumento do índice de saturação de colesterol, relação colesterol: fosfolipídio e colesterol: ácido biliar na bile causada pela dieta litogênica foi combatida por estes

   A antilitogenicidade destas especiarias hipocolesterolêmicas foi considerada devida também à sua fluência em proteínas biliares que possuem atividade pró-nucleante e atividade antinucleante. Investigações sobre o envolvimento de proteínas biliares na nucleação de cristais de colesterol revelaram que, em um modelo biliar in vitro, proteínas biliares de baixo peso molecular dos animais alimentados com dieta litogênica têm uma atividade pró-nucleante. Pelo contrário, proteínas biliares de baixo peso molecular dos animais alimentados com condimentos hipocolesterolêmicos juntamente com dieta litogênica mostraram uma potente atividade antinucleação. Pubmed 26147513

O manejo expectante (ou seja, não fazer nada) da doença do cálculo biliar é uma abordagem terapêutica válida na maioria dos pacientes. Pubmed 20492328   

Uma dieta rica em carboidratos refinados aumenta a saturação de colesterol biliar e, consequentemente, a formação de cálculos biliares.  Pubmed: 6293939

Uma dieta vegetariana está correlacionada com um risco significativamente menor de cálculos biliares em mulheres.  Pubmed: 3926039   

Associações entre fatores dietéticos e pancreatite foram observadas principalmente para AP relacionada ao cálculo biliar. Curiosamente, a fibra dietética protegeu contra AP relacionado e não relacionado com cálculos biliares. Beber café protegido contra AP não associado com cálculos biliares. Pubmed: 27609706   

Os ácidos graxos do óleo de peixe reduzem o índice de saturação de colesterol e o tempo de nucleação em indivíduos obesos, o que provavelmente resulta na prevenção da formação de cálculos biliares.  Pubmed: 11533270

Consumo frequente de nozes diminui o risco de Colecistectomia em mulheres. Pubmed: 15213031

O consumo frequente de nozes está associado a um risco reduzido de doença dos cálculos biliares nos homens.  Pubmed: 15522852

A Lecitina contribui para a dissolução dos cálculos biliares ou redução do tamanho, além de reduzir o índice litogênico da bile.   Pubmed: 53604    

Baixos níveis de antioxidantes reserva de glutationa prejudicada no fígado e baixos níveis de aminoácidos sulfurados estão associados ao desenvolvimento de cálculos biliares.  Pubmed 15469869

O consumo de magnésio tem um papel protetor na prevenção da doença dos cálculos biliares sintomáticos entre os homens.  Pubmed: 18076730

O consumo moderado de chá diminuiu o risco associado de cálculos biliares em uma população taiwanesa. Pubmed: 30135551    

Ácido docosaexaenoico DHA, EPA (ácido eicosapentaenóico) Ácidos graxos ômega-3 impedem a formação de formação de cálculos urinários de oxalato de cálcio. Pubmed 21168878

O suco foliar de Sesbania grande flora demonstra atividade antiurolitítica significativa contra cálculos do tipo oxalato de cálcio.  Pubmed: 18408896    Este é o primeiro estudo a descobrir uma associação potencial da Disbiose intestinal da microbiota que está presente em pacientes com cálculos biliares.  Pubmed: 24083370   

A deficiência de Vitamina D está associada à estase da vesícula biliar e cálculos biliares. Pubmed  25963323    

A Vitamina D pode ter um impacto na doença dos cálculos biliares.  Pubmed: 27696253

Consumo de farelo de trigo impede cálculos biliares de colesterol.  Pubmed 6088204   

Tanto a ingestão excessiva de Acido Ascórbico quanto à deficiência de saturação de colesterol biliar e síntese de bile são menores.  Pubmed: 7205399

O consumo de Caseína (proteína do leite de vaca) pode estar associado à formação de cálculos biliares.  Pubmed: 573964

 A Curcumina pode prevenir a formação de cálculos biliares de colesterol induzidos pela dieta rica em gordura em camundongos.  Pubmed: 26335572

A Curcumina reduz a formação de cálculos biliares e a concentração do colesterol biliar em camundongos.Pubmed 1459671     

 Semente de Fno-grego dietético regenera cálculos biliares de colesterol pré-estabelecidos em camundongos. Pubmed 19794519

 Alho e cebola dietéticos reduzem a incidência de cálculos biliares de colesterol induzidos por dieta em camundongos. Pubmed 18983715

Alho e cebola dietéticos regeneram os cálculos biliares de colesterol pré-estabelecidos em camundongos experimentais. Pubmed 20153000   

Galato de epigalocatequina reduz a suscetibilidade à formação de cálculos de colesterol através da regulação da inflamação.Pubmed 18374538 

Ácido eicosapentaenóico EPA impede a formação de cálculos biliares de colesterol em um modelo animal. Pubmed 9503405

O óleo de peixe inibe a cristalização do colesterol e a formação de cálculos biliares em um modelo animal. Pubmed 7652688    

Alho e cebola têm atividade antilitogênica na formação de cálculos biliares de colesterol. Pubmed 20079366   

 Larrea tridentata (chaparral) reduz significativamente a formação de cálculos biliares e a concentração de colesterol biliar da vesícula biliar.  Pubmed 16105230   

Psyllium protege contra a formação de cálculos biliares de colesterol.  Pubmed: 10326849   

O óleo de alho é mais eficaz que a monocitanoina na dissolução de cálculos biliares. Pubmed: 11194578   

A Lecitina pode desempenhar um papel terapêutico na prevenção e tratamento de cálculos biliares.  Pubmed: 6380394

Baixos níveis de Vitamina C (ácido ascórbico) podem contribuir para a formação de cálculos biliares de colesterol.  Pubmed: 8455479   

O consumo de Magnésio reduz o risco de cálculos biliares - Artigo 2  Pubmed: 18289201

 A Melatonina pode ser terapêutica em cálculos biliares e inflamação da vesícula biliar. Pubmed: 18338264

 A Silimarina do Cardo Mariano tem propriedades anticolestáticas que podem ser valiosas no tratamento da formação de cálculos biliares. 

 Pubmed: 16611084

 

 

Calcificações cerebrais

 A suplementação de cálcio pode aumentar o risco de desenvolver demência em mulheres idosas com doença cerebrovascular. Pubmed: 27534711

 A epilepsia com calcificações cerebrais de origem inexplicada provavelmente pode ser causada por doença celíaca não diagnosticada. Pubmed: 1354781

Epilepsia com calcificações cerebrais pobremente responsivas ao tratamento antiepiléptico têm sido significativamente melhoradas com ácido fólico e uma dieta isenta de glúten. Doenças: Calcificações cerebrais

Epilepsia com calcificações cerebrais pobremente responsivas ao tratamento antiepiléptico têm sido significativamente melhoradas com ácido fólico e uma dieta isenta de glúten. 

    Dois casos de epilepsia occipital focal com calcificações cerebrais pobremente responsivas ao tratamento antiepiléptico são descritos. Em ambos os casos, a doença celíaca foi diagnosticada e a deficiência de ácido fólico foi documentada. Uma dieta sem glúten e uma breve suplementação com ácido fólico levam a um completo EEG e normalização clínica em um caso e a uma melhora significativa do EEG e controle de crises no outro. Pubmed  1908173

 

Calcificações Esplênicas

Foi relatada doença celíaca com múltiplos focos de calcificação no baço. As calcificações esplênicas são uma manifestação rara na infância. Os autores estão relatando um caso de doença celíaca com múltiplos focos de calcificação no baço, sem evidência de calcificação cerebral. 21128017

 

Pedras nos rins

Entre as mulheres pós-menopáusicas saudáveis, embora o cálcio com suplementação de vitamina D tenha resultado em uma pequena mas significativa melhora na densidade óssea do quadril, não reduziu significativamente a fratura do quadril e aumentou o risco de cálculos renais. Pubmed 16481635

Suco de groselha negra poderia apoiar a metafilaxia e tratamento da urolitíase de ácido úrico devido ao seu efeito alcalinizante.Pubmed 12373623

Pacientes formadores de cálcio têm níveis médios mais baixos de vitamina D e maior porcentagem de hipovitaminose D do que em pacientes que não formam pedra. Pubmed 27093967

Lactobacillus casei e Bifidobacterium breve reduzem a excreção urinária de oxalato em pacientes com nefrolitíase. Pubmed 19214493

A terapia com limonada parece ser uma alternativa razoável para pacientes com nefrolitíase hipocitratúrica. Pubmed 17382731

O consumo de fórmula infantil à base de leite à base de melamina está associado à nefrolitíase. Pubmed 19212415

A água mineral rica em Cálcio, Mmagnésio e Bicarbonato melhora a composição da urina e reduz o risco de formação de Oxalato de Cálcio.Pubmed 14749747

As águas minerais contendo bicarbonato reduzem o risco de formação de cálculos urinários em pacientes com múltiplos episódios de Cálcio Oxalato urinário pedras. Pubmed 17333204

Os ácidos graxos ômega-3 impedem a formação de formação de cálcio urinário de Oxalato de cálcio. Pubmed  21168878

O suco de laranja pode ter um efeito terapêutico na redução do risco de formação de pedras. Pubmed 17699358

O Citrato de potássio reduz a incidência de cálculos renais em crianças tratadas com dieta cetogênica para epilepsia intratável.  Pubmed  19596731

Tomar suplementos de cálcio sem alimentos / à hora de dormir pode aumentar o risco de nefrolitíase de oxalato de cálcio. Pubmed 15086924

A erva Ayurveda Kulattha é superior ao citrato de potássio no tratamento da doença de calcificação renal. Pubmed 21117346

O suco de folhas de S. grandiflora demonstra uma actividade antiurolitítica significativa contra cálculos de tipo oxalato de cálcio. Pubmed 18408896

A Vitamina E tem um efeito benéfico sobre o estresse oxidativo associado à formação de cálculos renais em pacientes com tuberculose. Pubmed  15530460

Uma criança com doença celíaca atípica e urolitíase recorrente. Pubmed 22388615

Extrato aquoso de Hibiscus sabdariffa reduz significativamente a deposição de constituintes formadores de pedra nos rins e soro de ratos urolitíticos. Pubmed 22057204

O extrato de algas marrons demonstra efeitos significativos de prevenção na formação de cálculos renais e urinários em ratos. Pubmed 17929006

A Curcumina previne a lesão renal induzida por litotripsia induzida por ondas de choque. Pubmed 19340419

A Onagra pode ter valor preventivo e terapêutico em cálculos renais induzidos por infecção. Pubmed 7992455

Hibiscus sabdariffa e Phyllanthus amaraus inibem a formação de pedra de oxalato de cálcio nos ratos. Pubmed 21075390

Moringa oleifera tem um efeito preventivo e curativo na formação de pedra de oxalato de cálcio (urolitíase) em ratos. Pubmed 16386862

Phyllanthus niruri inibe o crescimento de cristais na formação de cálculos renais. Pubmed 12010223

O plantain e Crataeva nurvala (Varuna) tem valor terapêutico no manejo dos cálculos do trato urinário superior, especialmente cálculos renais.  Pubmed  19040391

Suco deRomã tem um efeito protetor sobre a formação de cálculos renais (nefrolitíase) em ratos. Pubmed 19025399

Efeito profilático da água de coco (Cocos nucifera) sobre a nefrocalcinose induzida por etilenoglicol em ratos wistar machos. Pubmed 23489503

Rubia cordifolia tem um efeito protetor contra cálculos renais induzidos por etileno glicol em ratos. Pubmed 20079795

Solidago virgaurea  pode fornecer um seguro, tratamento barato para doenças do trato urinário, por exemplo, infecções, inflamação e para evitar a formação de pedras e remoção de cascalho urinário. Pubmed 15638071

Inositol hexafosfato inibe a cristalização de sais de Cálcio, e pode desempenhar um papel importante na inibição da formação de Oxalato de Cálcio, portanto, impedindo pedras nos rins. Pubmed 10625946

Nigella sativa e seus componentes são benéficos na prevenção e cura de doenças renais. Pubmed 27247917

A presença de Dióxido de Silício em suplementos pode estar associada à formação de cálculos renais. Pubmed 19100669

 As sementes de Abóbora reduzem a ocorrência de cristais de Cálcio-Oxalato na urina das crianças. Pubmed 3799495

 

 

Calcificação Vascular

Suplementação de Vitamina K2 inibe a progressão da calcificação da artéria coronária em homens e mulheres idosos. Pubmed: 19386744

A ingestão de Menaquinona está associada a um risco reduzido de doença coronariana, mortalidade cardíaca, calcificação aórtica e mortalidade por todas as causas. Pubmed: 15514282

O consumo elevado de Menaquinona (vitamina K2) na dieta está associado à redução da calcificação coronariana. Pubmed: 18722618

O consumo adequado de Fitato pode prevenir a calcificação da aorta abdominal em pacientes com doença renal crônica. Pubmed 26975775

O Extrato de Alho Envelhecido inibe a taxa de progressão da calcificação coronariana em pacientes que recebem terapia com estatinas.Pubmed   15475033

Extrato de alho envelhecido suplementado com vitaminas B, Vitamina B-12, ácido fólico e L-arginina retarda a progressão da aterosclerose subclínica. 

Pubmed  19573556

Extrato de Alho envelhecido com suplemento está associado com aumento no tecido adiposo marrom, diminuição no tecido adiposo branco e predição de falta de progressão na aterosclerose coronariana. Pubmed 23453866

O Magnésio pode ter um efeito favorável na calcificação da artéria coronária.Pubmed: 19469885

O ácido graxo ômega-3 e a suplementação de Vitamina D resultam em uma redução substancial nos escores de cálcio coronário e no crescimento lento da placa.

Pubmed: 19092644

Ácido Eicosapentaenóico (EPA )e ácido lipóico reduzem a calcificação ectópica renal e aórtica em ratos. Pubmed: 9844996

 Evidências mostram que a deficiência de Vitamina K 2 pode contribuir para o desenvolvimento da placa cardiovascular (aumento da espessura média íntima) e a suplementação pode reverter ou impedir o processo de calcificação. Pubmed: 17138823

 Suplementação de Magnésio previne e reverte calcificações vasculares e dos tecidos moles. Pubmed: 28760336

 A deficiência de Vitamina D teve uma associação positiva significativa com a presença de calcificação da artéria coronária. Pubmed: 27315115

 A inibição da calcificação aórtica por policosanol em coelhos dislipidêmicos é aumentada pela pentoxifilina. Pubmed: 29742924

 O citrato de Magnésio protege contra a calcificação vascular. Pubmed: 29738375

A deficiência de Magnésio está associada ao aumento da calcificação aórtica em ratos com insuficiência renal (ratos urêmicos).Pubmed: 8948519

A Cisteína N-Acetilcisteína inibe a Arteriosclerose em coelhos urêmicos. Pubmed: 18356775

O Fitato inibe a calcificação vascular. Pubmed: 17587727

O Fitato evita calcificações nos tecidos de ratos fêmeas. Pubmed: 10875304

A Vtamina K2 pode inibir a calcificação da íntima aórtica em camundongos. Pubmed: 28587577

O Magnésio impede a calcificação induzida por fosfato nas células musculares lisas da aorta humana. Pubmed: 23229924

Papel benéfico da Genisteína fitoestrógeno na calcificação vascular. Pubmed: 28968518

Alho inibe a formação de placas arterioscleróticas, in vitro. Pubmed: 15638070

Crataegus, Cebola e Alho podem dissolver os cristais de hidroxiapatita associados à arteriosclerose. Pubmed: 15232901

O Magnésio impede a calcificação vascular in vitro pela inibição da formação de cristais de hidroxiapatita. Pubmed 29391410

O Magnésio reduz a calcificação em células musculares lisas vasculares bovinas de maneira dose-dependente. Pubmed: 21750166

Magnésio para combater a degradação da elastina e calcificação vascular na doença pulmonar obstrutiva crônica. Pubmed: 28915968

A Vitamina K 2 pode ser eficaz na prevenção e tratamento da osteoporose e calcificação arterial. Pubmed 16030366

A Vitamina K 2 pode reduzir o risco de aterosclerose.Pubmed 18196985

Suplementação de Vitamina K  e Vitamina K2 pode ser útil para uma série de condições crônicas. Pubmed 28698808

A Vitamina K2 pode ser uma estratégia interessante para beneficiar a saúde óssea e vascular. Pubmed 27437760

O Cálcio valvular aórtico estava associado ao aumento da mortalidade por todas as causas, independente dos fatores de risco tradicionais e da presença de cálcio nas artérias coronárias. Pubmed:  21055710

A rigidez arterial e a calcificação vascular na doença renal terminal são prejudicadas pela dose de carbonato de Cálcio ingerida. Pubmed: 10862640

A aterosclerose calcificada está diretamente implicada na patogênese da aorta abdominal e das artérias ilíacas. Pubmed: 18515037

Suplementos de carbonato de Cálcio estão associados à calcificação aórtica em pacientes em hemodiálise. Pubmed: 19016145

Altos níveis de consumo de bebidas açucaradas estão associados a uma maior prevalência e grau de Cálcio nas artérias coronárias. Pubmed: 27297845

Pacientes com maior perda dentária têm maior prevalência de calcificação da artéria carótida. Pubmed: 27566532

A calcificação da glândula pineal, a degeneração do disco intervertebral lombar e a aterosclerose calcificante da aorta abdominal correlacionam-se em indivíduos com lombalgia: um estudo de TC observacional transversal. Pubmed 18215511

A terapia com estatinas foi associada com maior progressão da calcificação da artéria coronária. Pubmed 28036114

O uso mais frequente de estatinas está associado à calcificação arterial coronariana acelerada e à subcopulação da calcificação aórtica em pacientes com DM2 com aterosclerose avançada. Pubmed 22875226

O uso de estatinas está associado a um aumento na prevalência e extensão das placas coronárias que possuem cálcio. Pubmed: 22981406

A progressão da calcificação da artéria coronária em pacientes pré-diálise é acompanhada pela quantidade de Carbonato de Cálcio que consomem.

Pubmed 17805238

Existe uma associação de captação vascular de Flúor com calcificação vascular e doença arterial coronariana. Pubmed: 21946616

O uso de Varfarina aumenta o risco de calcificação valvular.Pubmed 19793187

Depósitos de Carbonato de Cálcio foram encontrados nas paredes das artérias principais na aterosclerose. Pubmed: 6639399

Efeito da fluoretação da água no desenvolvimento da calcificação vascular medial em ratos urêmicos. Pubmed: 24561004

Exossomos, os transportadores de mensagens em calcificação vascular.Pubmed: 29892998

O Flúor é um fator no envelhecimento precoce e afeta os efeitos adversos à saúde.Pubmed: 16892576

O Hexafosfato de Inositol (fitato) inibe a calcificação do sistema cardiovascular.

 

Lembre-se dos passos importantes para se livrar das pedras nos rins:

Mantenha-se hidratado. Beba oito copos de água por dia.

Recomendo beber o chá de Hibisco Sabdariffa – Em media 400 ml ao dia.

Beber suco feitos com dois Rabanetes médios, uma fatia de Couve Rabano (corte em quatro partes e use uma parte), uma fatia de Abacaxi maduro e 6 colheres de sopa da polpa da entrecasca (aquela parte branca) da Melancia e 600ml de água.Descasque o Abacaxi e corte em quatro partes e use uma parte para o suco. 

O Rabanete e a Couve Rabano podem ser consumidos também na forma de salada. Outros vegetais como a Beterraba, por exemplo, trabalha fornecendo uma passagem mais confortável da pedra pelo fato de auxiliar na dilatação, por conta disso seu uso é recomendado.

Estes suplementos são úteis no tratamento e para evitar a formação de pedras e as calcificações e as recidivas B-6, Magnésio, Vitamina C, Vitamina K2.

Cloreto de Magnésio > Dissolve-se 30 gramas em 100 ml de  água. Toma-se 8 gotas diluida em 20 ml de  água

Vitamina C. Toma-se 2 gramas dissolvida em 20 em meio copo de  água

Vitamina K2 250 mg  capsula ao dia.

Bicarbonato de sódio

 O Bicarbonato de sódio é um recurso útil para pedras de ácido úrico porque aumenta a alcalinidade da urina, o que pode ajudar a dissolver as pedras e prevenir a formação futura de pedras. Idealmente, o  Bicarbonato de sódio, quando usado como remédio natural, é ingerido na água, geralmente adicionando ¼ colher de chá rasa a água ou a um suco cítrico.

Atenção. Na orientacao acima  todos os itens são usados concomitantemente, ou seja, todos no mesmo dia. Uma semana é o tempo minimo de uso, mas dependendo da quantidade de pedras e do tamanho delas o uso se estendera por 3 semanas.

 

Dissolvendo pedras nos naturalmente!

Quase 1 em cada 20 pessoas desenvolverá uma pedra nos rins ao longo da vida. E se a dor não é a pior parte, você pode realmente ser um dos milhões que gastam milhares de reais visitas hospitalares, medicamentos de efeito colateral e cirurgia. E a melhor ou pior notícia, independente se você gastou em tratamento de pedra nos rins ou não, e que você pode tratar pedras nos rins ou na bexiga naturalmente com recursos caseiro simples para pedras. Na verdade, seu corpo pode naturalmente passar suas pedras sem medicação, sem cirurgia e sem gastar uma fortuna. Mas precisamos ter o conhecimento para isso. Torne-se informado - isso evitará que você sofra desnecessariamente.

Dissolução de pedras nos rins naturalmente é possível?

Por saber que sou uma herbalista, as pessoas geralmente perguntam o que eu recomendaria para se livrar de pedras nos rins. Dito ser a cólica renal mais doloroso do que a dor do parto, as pedras nos rins precisam de soluções que proporcionem alívio rápido e eficaz!  Remédios naturais podem trazer resolução rápida para pedras nos rins e aliviar a dor. Obviamente, que vou passar uma sugestão, mas antes peco que procure conhecer um pouco da fisiologia de tudo que envolve essa condição clinica dolorosa e o que tem que ser feito para evitar as recidivas.

Por favor, leia sobre calcificações.  Sei que você vai direto ao item que fala do seu problema. Mas é importante que você se certifique das informações fundamentais sobre as calcificações que e a origem também de outras doenças, não somente da formação de pedras. Como se trata da sua saúde, incentivo-o a ler para entender que as calcificações afetam outras partes do corpo.

Após a explanação, você vai encontrar a sugestão com a qual obtive êxito nos casos que relato aqui, anexarei também uma lista de evidencias cientifica que mostram outros recursos que contribui como um coadjuvante na dissolução de cálculos, bem como nas outras formas de calcificações.

O que são pedras nos rins?

Pedras nos rins (também referidas como cálculos renais) são basicamente aglomerados de sais minerais que se formam devido a uma variedade de razões. Eles podem ocorrer quando a dieta contém muita proteína animal ou grãos (o que torna o sangue ácido e remove cálcio dos ossos). Outra razão a desidratação é um culpado. Muitas pessoas não bebem água suficiente. 

Quanta água a pessoa precisa tomar?

 Se as pessoas comessem frutas e verduras suficientes - elas não precisariam do máximo, dependendo do tamanho - seriam 8 a 12 copos de água destilada diariamente. Certamente líquidos de qualidade são especialmente importantes durante um surto de pedras nos rins e são um ótimo complemento para outros protocolos de cálculo renal. Além disso, uma deficiência de Potássio, Magnésio, Vitamina C e ou Complexo B também pode ser uma causa de formação de pedras nos rins.

Os Cálculos Renais podem ser causados ​​por comer ou beber os alimentos errados. Eliminar, cerveja, soja e refrigerantes (ricos em ácido fosfórico que formam pedras). Evite alimentos ricos em Oxalato, como Ruibarbo, chocolate, salsa, beterraba, morango, trigo, pimenta e nozes. Alguns nutricionistas dizem - evite espinafre, mas o espinafre cozido é o problema. 

Evite também grandes quantidades de fósforo, que são encontradas em carnes, peixes, aves e laticínios. Grãos também contêm fósforo - e devem ser evitados.

 Então, quais alimentos contendo quantidades menores de fósforo poderiam ser recomendados? Brócolis, ovos orgânicos ao ar livre, lentilhas, brotos de mungi, cogumelos brancos e espinafre cru.

Tipos de pedras nos rins

 Existem quatro tipos diferentes de pedras nos rins.  Alguns remédios podem ser mais eficazes na eliminação de certos tipos de pedras.  Sem uma análise laboratorial, pode ser difícil saber de qual substancia formou a pedra. No entanto, certos fatores de risco estão conectados a cada tipo de pedra, facilitando a previsão do tipo de pedra envolvida.  Isso pode facilitar a escolha de um remédio idealmente compatível.

A maioria dos cálculos renais é composta de Oxalato de Cálcio. Elas podem variar em tamanho; tão pequeno quanto um grão de areia a tão grande quanto uma ovo de codorna. 

Os cálculos renais basicamente deixam o corpo pela passagem no fluxo de urina, e muitas pedras são formadas e passadas sem sintomas. Se as pedras atingirem tamanho na ordem de seis milímetros elas podem causar obstrução do ureter. A obstrução resultante pode causar dor episódica grave, mais comumente sentida no baixo-ventre e virilha (uma condição conhecida como cólica renal). A cólica renal pode estar associada a náuseas e vômitos. Hematúria (urina com sangue) está comumente presente devido a danos no revestimento do trato urinário.

O Cálcio é importante na dieta, mas quantidades excessivas podem ser cristalizadas nos rins, na bexiga, na vesícula e começar a formar pedras; criando altos níveis de Hiperoxalúria. Isso pode ser evitado pelo aumento da ingestão de líquidos e suplementação com Vitamina B6 e Magnésio.

Outro tipo de pedras nos rins - pedras de Cistina.

A Cistina serve como um bloco de construção de nervos, músculos e outras partes do corpo. No entanto, o acúmulo excessivo de Cistina na urina pode levar à formação de cálculos de Cistina. Embora esta condição rara seja considerada hereditária, uma vez que pode ocorrer em famílias. Altos níveis de Cistina na urina são geralmente tratados pelo aumento de fluidos.

Um terceiro tipo - as pedras de Estruvita (fosfato de amônio), também conhecidas como cálculos infecciosos, que se desenvolvem após uma infecção do trato urinário, afetam o equilíbrio natural da urina. Elas são mais comuns em mulheres porque são mais suscetíveis a infecções do trato urinário do que os homens. Mas podem ser dissolvidas usando quantidades mais elevadas de Vitamina C e suco de Cranberry. 

O papel da vitamina C na prevenção e dissolução de Cálculos Renais. Tanto a infecção renal quanto as pedras nos rins irão parar se houver Vitamina C suficiente na dieta.  Se você tem pedras nos rins, tente usar pelo menos um grama ou mais por dia, o que seria 1000 MG ou mais para dissolver as pedras. 

O quarto tipo de pedras nos Rins - pedras com Ácido Úrico, que resultam de um problema de metabolização de purinas (a base química da adenina, xantina, teobromina {no chocolate} e Ácido Úrico). Elas podem se formar em uma condição conhecida como gota. Diminuir o consumo de carne reduzirá tremendamente as purinas, já que a carne é rica em Ácido Úrico.

Como as pedras nos rins são tratadas?

 O tratamento tradicional da medicina para pedra nos rins inclui testes diagnósticos, medicamentos, incluindo medicação para dor, repouso e, às vezes, procedimentos cirúrgicos e litotripsia. Cuidado com a litotripsia, ela literalmente implodem as pedras dentro de você, e, se o uso for muito frequente podem causar danos permanentes aos seus rins.

 

 

Pesquisar no site

Ervas Medicinais Fonte de Saúde e Longevidade

Ervas Medicinais Fonte de Saúde e Longevidade