Se você aprecia o sabor incrível  do Abacaxi, ou seu suco, pode estar certo de uma coisa: comida e remédios estão, inseparavelmente ligados dentro desta planta incrível.

     Precisa de mais um motivo para amar o Abacaxi? A fruta tropical é a única fonte natural de Bromelína, uma mistura de enzimas que demonstrou ter inúmeros benefícios à saúde. Desde a promoção da digestão até o tratamento da febre do feno, a Bromelína é usada em todo o mundo para nos manter saudáveis ​​e fortes. Continue lendo para aprender mais sobre este nutriente poderoso, bem como maneiras de adicionar um pouco mais de Bromelína à sua dieta. 

      O Abacaxi é usado como parte da medicina popular tradicional desde os tempos antigos e continua presente em várias preparações à base de ervas. A Bromelína é uma mistura complexa de protease extraída do fruto ou caule da planta do Abacaxi. Embora o mecanismo de ação molecular completo da Bromelína não tenha sido completamente identificado, a Bromelína ganhou aceitabilidade universal como agente fitoterápico devido ao seu histórico de uso seguro e “ausência” de efeitos associados. A Bromelína é amplamente administrada por suas propriedades reconhecidas, como seus efeitos anti-inflamatórios, antitrombóticos e fibrinolíticos, atividade anticâncer e efeitos imunomoduladores, além de ser um agente cicatrizante e melhorador circulatório. A presente revisão as promissoras clínicas e propriedades terapêuticas da Bromelína.

   

       A Bromelína é uma mistura de diferentes tiois endopeptidases e outros componentes como fosfatase, glucosidase, peroxidase, celulase, escarase e vários inibidores de protease. In vitro e in vivo estudos demonstram que a Bromelína exibe várias atividades fibrinolítica, antiedematosa, antitrombótica e anti-inflamatória. A Bromelína é consideravelmente absorvível no corpo sem perder sua atividade proteolítica e sem produzir efeitos colaterais importantes. A Bromelína é responsável por muitos benefícios terapêuticos, como o tratamento de angina de peito, bronquite, sinusite, trauma cirúrgico e tromboflebite, desbridamento de feridas e absorção aprimorada de medicamentos, particularmente antibióticos. Também alivia a osteoartrite, diarreia e vários distúrbios cardiovasculares. A Bromelína também possui algumas atividades anticancerígenas e promove a morte celular por apoptose.

Este composto notável, concentrado no interior do caule ou seja no núcleo fibroso, que é muitas vezes desperdiçado e descartado, tem sido pesquisado para as seguintes aplicações medicinais potenciais: 

Asma,  câncer da pele, câncer do pulmão, câncer  do cólon, câncer da mama, colite, constipação de pós-operatório, doenças alérgicas das vias aéreas,  dispepsia, edema, glioma (cncer cerebral),  infarto do miocárdio (ataque cardíaco), inflamação, melanoma,  osteoartrite do joelho,  sinusite, lesão no tendão, trombose (coágulo).

 

Como comer Abacaxi para obter os benefícios da Bromelína
 
                 A Bromelína foi introduzida como composto terapêutico na farmacologia em 1957.
Bromelína são compostos por uma variedade de substâncias, incluindo a peroxidase, fosfatase ácida, o cálcio e os inibidores da protease. Mas os principais ingredientes ativos são duas enzimas conhecidas como frutas e tronco Bromelína, respectivamente. Tenha em mente que o potencial de atividade terapêutica da Bromelína, depende inteiramente de como você toma.
Quando consumido, a enzima entra no sangue e exerce ação sistêmica. Quando consumido com alimentos, a sua atividade, na sua maioria vai ajudar o corpo a quebrar proteínas dietéticas, aliviando os encargos digestivo.

 

Bromelína ou Bromelaína

     Durante os séculos XVI e XVII, as plantas de Abacaxi foram introduzidas na Ásia-Pacífico e se processaram a primeira safra comercial. A Bromelína é uma mistura natural complexa de enzimas proteolíticas derivadas do Abacaxi ( Ananas cosmosus ) e possui propriedades terapêuticas notáveis. Há um interesse contínuo pela Bromelína, que tem sido usada por muitos anos na medicina popular para vários problemas de saúde. O valor terapêutico potencial da Bromelína é devido às suas propriedades bioquímicas e farmacológicas, e o ingrediente principal na Bromelína bruta É uma substância natural, não agressiva ao metabolismo humano, classificada como de toxicidade muito baixa. A sua associação a outros princípios ativos, melhora a absorção de vários medicamentos, o que implica em economia na dose terapêutica necessária e no desgaste que o organismo sofre durante um tratamento com medicamento.

Existe uma crescente demanda da Bromelína como suplemento para atletas (maratonistas, ciclistas e triatletas), pois ela evita a dor muscular tardia. A Bromelína também é utilizada na indústria de alimentos e amaciamento de carnes; produção de pães e biscoitos a partir de farinhas de trigo de alto teor protéico; produção de ovos desidratados; preparação de leite de soja e isolados protéicos; na cervejaria, para hidrolizar complexos proteína-taninos, formados durante a fermentação que, se presentes na cerveja, tornam-se insolúveis e formam turvações quando gelada.

Bromelína é uma mistura de enzimas proteolíticas existente no Abacaxi (cascas e hastes) de alto peso molecular capaz de ser absorvida pelo trato gastrintestinal produzindo ações anti-inflamatórias e antiexsudativa, podendo apresentar efeitos anticoagulantes e inibição na agregação plaquetária.

Esta enzima pode ser extraída de todas as partes do Abacaxi, talo, coroa, polpa e folhas.

Propriedades: Os principais usos terapêuticos da Bromelína estão associados à inibição da agregação plaquetária, atividade fibrinolítica, ação anti-inflamatória e antitumoral, modulação de citocinas e da imunidade, propriedade debridante de pele, aumento da absorção de outras drogas, propriedades mucolíticas, facilitador da digestão, acelerador da cicatrização e melhora da circulação e sistema cardiovascular.

Indicação

A Bromelína tem diversos usos, todos baseados em sua atividade proteolítica, como nas indústrias alimentícias e farmacêuticas. É utilizada por sua ação enzimática em formulações auxiliares da digestão, geralmente associada a outras enzimas digestivas. Também tem ação anti-inflamatória e antiedematosa. Enzima indicada na prevenção de tumores, moduladora do sistema imune, mucolítica, potencializadora de antibióticos, digestiva, na redução da incidência de infarto coronário, minimiza a severidade de angina pectoris, no tratamento de inflamações nos tecidos moles, no tratamento de distúrbios digestivos, feridas e inflamações e edema associado a trauma e cirurgia.

Concentração Recomendada no Uso oral: A dose usual por via oral está na faixa de 50 a 100mg ao dia, podendo chegar até 1000mg, dividida em 4 doses diárias. Uso tópico: 2% em cremes e loções cremosas. Para a fabricação de tempero amaciante recomenda-se uma dosagem entre 1 a 1,4% em relação a massa de tempero. Para a hidrólise de complexos proteicos recomenda-se inicialmente dosagem de 0,80% em relação a quantidade de proteína.

 Uma variedade de designações foi usada para indicar a atividade de Bromelína: Unidades de Rorer (r.u.), gelatina que dissolve unidades (g.d.u.), e unidades de coagulação de leite (m.c.u.) são geralmente medidas usadas de atividade. Um grama de Bromelína unificado a 2000 m.c.u seria aproximadamente igual a 1g com 1200 g.d.u. de atividade ou 8g com 100,000 r.u. de atividade.

Efeitos Colaterais: A Bromelína pode causar náusea, vômito e diarreia. Metrorragia e menorragia podem, também, ocorrer, ocasionalmente. Reações de hipersensibilidade têm sido relatadas, incluindo reações dermatológicas e asma brônquica.

Precauções:  Deve ser ministrada com cuidado em pacientes com distúrbios de coagulação, ou com sérios problemas hepáticos ou renais.

Outros usos:É utilizada no amaciamento de carnes, na clarificação de cervejas, na fabricação de queijos, no preparo de alimentos infantis e dietéticos, no pré-tratamento de soja, no tratamento do couro, na indústria têxtil, no tratamento da lã e da seda, preparo de colágeno hidrolisado, etc.

Referências Bibliográficas:  Batistuzzo, J.A.O., Eto Y., Itaya M. Formulário Médico - Farmacêutico, Tecnopress, 3ª edição, 2006. RR branco, Crawley FE, Vellini M, al de et. Bioavailability de 125I bromelain depois de administração oral para ratos. Biopharm Drug Dispos 1988;9:397-403. Página 4 de 4 Kumakura S, Yamashita M, Tsurufuji S. Efeito de bromelain em inflamação kaolin-induzida em ratos. EUR J PHARMACOL 1988; 150:295-301. Disponível em: https://www.isaude.net/pt-R/noticia/2054/artigo/bromelina+bromelina&ct=clnk. Acesso em 24/02/2011

 

 

  • A Bromelína do Abacaxi tem propriedades antiplaquetárias. Pubmed 16308185 Publicado 01 / 02/ 2006 Estudo Humano
  • A Bromelína é eficaz no tratamento do edema pós-operatório após a cirurgia do terceiro molar. Pubmed 21061836 Publicado 01 / 09/ 2010 Estudo Humano
  • A Bromelína pode beneficiar crianças com diagnóstico de sinusite aguda. Pubmed 15796206 Publicado 01 /03/ 2005 Estudo Humano
  •  
  • A Bromelína pode beneficiar pacientes com constipação pós-operatória. Pubmed 16137711 Publicado 01 / 09/ 2007 Estudo Humano
  • Atualmente a Bromelína é administrada devido aos seus efeitos terapêuticos no tratamento de inflamação e lesões de tecidos moles. Um estudo clínico mostrou que a Bromelína administrada a boxeadores eliminou completamente todos os hematomas na face, lábios, orelhas, tórax e braços em quatro dias.
  •  
  • A Bromelína administrada por via oral é absorvida pelo intestino sem perder suas propriedades biológicas e reduz o edema complementar sem edema da perna traseira induzido por trauma em ratos.
  •  
  • Uma análise in vitro e in vivo determinou que a administração de Bromelína evita a agregação de plaquetas do sangue humano. Além disso, minimiza a gravidade da angina de peito e ataques isquêmicos transitórios. Estudos também demonstraram uma atividade fibrinolítica, a inibição da formação de trombos e a redução da agregação plaquetária resultante do tratamento com Bromelína.

  •  
  • A administração de Bromelína controlou os ataques de angina e resultou em desaparecimento dos sintomas em pacientes hipertensos. Mas, os ataques de angina reapareceram após a interrupção da Bromelina após períodos variáveis ​​(até 2 meses) de tempo.

  • Outro estudo que a Bromelína estava envolvida no tratamento da tromboflebite aguda, diminuindo a dificuldade de locomoção dos pacientes e os sintomas de inflamação, incluindo temperatura da pele, sensibilidade, edema e dor.
  •  
  • Foi caracterizada que a Bromelína facilitou a recuperação funcional do coração ao limitar a lesão miocárdica em experimentos de isquemia. A Bromelina também aumentou o fluxo aórtico e reduziu o tamanho do infarto e o grau de apoptose.

  •  
  •  Um estudo anterior corrigiu que o tratamento com Bromelína reduziu a apoptose e o dano às células endoteliais na isquemia hepática. Além disso, há evidências de que uma Bromelína protegeu contra lesão isquêmica no músculo esquelético. Estudos in vivo e in vitro inalados que uma Bromelina dissolva uma placa arteriosclerótica na aorta de coelho e claramente a potente atividade fibrinolítica da Bromelína, que funciona quebrando como placas de colesterol.
  •  
  • Em animais experimentais, a Bromelína exerce um efeito anti-hipertensivo quando administrada por períodos de tempo prolongados. Além disso, aumenta a permeabilidade da parede do vaso ao oxigênio e nutrientes, aumenta a fluidez do sangue.
  •  
  •  Em pacientes que causam doenças inflamatórias intestinais, a administração de Bromelína reduz uma variedade de moléculas pró-inflamatórias, como INF-γ e fator estimulador de colônia. Foi relatado que a Bromelína foi usada com sucesso no tratamento da colite ulcerosa e os pacientes surdos dos sintomas.
  •  
  • A administração de Bromelína resultou em diminuição da dor e rigidez em pacientes com osteoartrite de joelho.
  •  
  • Em um modelo murino de asma aguda, uma Bromelína diminuiu a reatividade das vias aéreas e a sensibilidade aos irritantes, diminuiu os marcadores de inflamação pulmonar (incluindo infiltração por eosinófilos e leucócitos) e aspectos moderados da imunidade local das aéreas.
  •  
  •  
  • Numerosos relatórios documentaram os benefícios da Bromelína para a sinusite. Um estudo anterior mostrou que a administração de Bromelína em crianças com sinusite aguda encurtou a duração dos sintomas e acelerou a recuperação em comparação com os tratamentos médicos habituais.  Além disso, os pacientes com sinusite que receberam Bromelína demonstraram resolução completa das dificuldades respiratórias e inflamação da mucosa nasal. Em uma pesquisa recente, descobriu-se que a Bromelína atenua o desenvolvimento de doença alérgica das vias aéreas, enquanto altera as populações de linfócitos T CD4 para CD8. A partir dessa redução nos resultados de alérgica das vias aéreas, foi sugerido que a Bromelína pode ter efeitos semelhantes no tratamento da asma humana e distúrbios de hipersensibilidade. Em outro estudo, realizado por Juhasz et al.. Reduzindo a inflamação e a febre dos fenos: As propriedades anti-inflamatórias da Bromelína podem tratar sinusite, febre do feno e bronquite, entre outros problemas. A enzima especificamente demonstrou reduzir o inchaço nas passagens nasais e foi usada em pacientes pós-rinoplastia para facilitar a cura. Da mesma forma, vários clínicos demonstraram que ele funciona como um antihistamínico natural e pode reduzir os efeitos das alergias.
  •  
  • Em um modelo de rato de artrite reumatoide, o tratamento com Bromelína combinada com Ciclosporina reduziu a artrite destrutiva e inflamação Além disso, um estudo clínico exclui que uma Bromelína foi administrada a pacientes com inchaço da articulação artrítica e foi observada uma redução reduzir a completa no inchaço dos tecidos moles.
  •  
  • A Bromelína foi reconhecida como um tipo de agente terapêutico seguro e bem-sucedido, e está sendo usada por solucionar em todo o mundo para uma série de doenças, como bronquite, sinusite, artrite e inflamação.
  •  
  • Foi documentado que a Bromelína aumenta os níveis sanguíneos e urinários de certos antibióticos em humanos. A terapia combinada de Bromelína e antibióticos pode ser mais eficaz do que os antibióticos isoladamente na pneumonia, bronquite cutânea Infecção por estafilococos , tromboflebite, celulite, pielonefrite e nos abscessos perirretais e retais, sinusite e infecções do trato urinário.
  •  
  • Uma combinação de Bromelína, Tripsina e Rutina tem sido administrada como terapia adjuvante em combinação com antibióticos para crianças com sepse.
  •  
  • Outro estudo, que a Bromelína, em combinação com Alginato de sódio e Bicarbonato de sódio, melhorou evolução nos sintomas dispépticos Além disso, a Bromelína foi administrada com sucesso como uma enzima digestiva para tratar distúrbios intestinais, pancreatectomia e insuficiência pancreática exócrina. Outra combinação de bile de boi, pancreatina e Bromelína é eficaz na redução da excreção de gordura nas fezes em pacientes com esteatorreia pancreática, melhorando sintomática da dor, flatulência e frequência fecal.
  •  
  • Uma combinação de Bromelína com enzimas derivadas de Aspergillus niger melhorou a utilização de proteínas em pacientes idosos em lares de idosos.
  •  
  •  
  • Atividade antimicrobiana

           A suplementação de Bromelína protegido de animais contra diarreia causada por enterotoxinas bacterianas de Escherichia coli e Vibrio cholerae. Uma Bromelína atua como agente antiadesão, modificando os locais de correção do receptor e influencia como vias de sinalização secretória intestinal. Além de sua capacidade de combater certos efeitos de determinados patógenos intestinais e seu sinergismo com antibióticos, esses dois mecanismos são indicativos dos benefícios da Bromelína contra certas específicas. A evidência in vitro também exigida que a Bromelína exerce atividade antihelmíntica contra os nematoides gastrointestinais,Trichuris muris e Heligmosomoides polygyrus. Por outro lado, uma Bromelína atua como um agente antifúngico, estimulando uma fagocitose e a morte por explosão respiratória de Candida albicans quando incubada com Tripsina in vitro. A pitiríase liquenoide crônica é uma doença infecciosa da pele e a Bromelína causou a resolução completa dessa condição. 

  •  
  • Desde que a Bromelína foi usada pela primeira vez para fins médicos em 1957, cerca de 400 artigos científicos foram escritos sobre ela. Citei alguns na bibliografia no final deste tópico.

 

Suco de Abacaxi desativa transmissão Rotavirus:
 Suco de Abacaxi, devido ao seu baixo pH e outros componentes no suco, foi  eficaz em inativar rotavírus.

 

Suco quente de Abacaxi.
     Tem um efeito de afrouxar a fleuma e eliminar as bactérias e os vírus que estão no muco e na secreção das vias respiratórias e nos pulmões. Ao desprender o muco e a secreção acumulada nos pulmões  e dos seios nasais, ajuda a expandir os pulmões e a melhorar a ventilação e recuperar a respiração. Eliminar o acúmulo de exsudatos inflamatórios na cavidade pleural dos pulmões é muito importante.  Lembrando que em casos de pneumonia geralmente ocorre o acúmulo de exsudatos inflamatórios na cavidade pleural dos pulmões.
   

Bromelína é um suporte terapia com antibióticos

A Bromelína aumenta a concentração de antibióticos no sangue e na urina. É por isso que em muitos países é administrado para aumentar a eficácia da terapia antibiótica. A Bromelína do Abacaxi aumenta ação de antibióticos e ao mesmo tempo reduz os efeitos colaterais associados a vários antibióticos. Além disso, a Bromelína atua como imunomodulador e anti-inflamatória. A Bromelína é absorvida nos intestinos humanos e permanece biologicamente ativa com uma meia-vida de 6 a 9 horas. A maior concentração de Bromelína foi identificada no sangue uma hora após a administração.

Simples de fazer. Bater no liquidificador o Abacaxi maduro com o miolo e sem a casa. Coar e deixar a poupa.. Coloque em  uma panela uma porção de 200 ml dessa poupa para ferver com 100 ml de água. Quando iniciar a fervura desligue. Pode adoçar com mel.
      Atenção>>> As propriedades fibrinolítica da Bromelína contribui para afinar o sangue, por isso, quem toma medicamentos para afinar o sangue deve ter cuidado, especialmente, quando se consome o miolo que é rico em Bromelína.
Além disso, a Bromelína tem a capacidade de aumentar a absorção de outros nutrientes e medicamentos, devido à sua capacidade de modular a permeabilidade intestinal. Isso pode ser uma coisa boa, por exemplo, se alguém está tentando absorver mais de uma erva terapêutica ou nutriente, mas uma coisa ruim se não se deseja aumentar a absorção de remédio.

 

          A Bromelína e outras fitossubstâncias naturais já confirmadas em evidências científicas, mesmo que funcionem, são seguras e extremamente acessíveis, possivelmente, nunca receberão aprovação da FDA. A ideia, até o momento atual, não flui no desenvolvimento de terapias contra o câncer não-patenteáveis ​​(ou seja, não lucrativas). Esta é simplesmente a lógica, se nós não obrigarmos o governo a utilizar os nossos impostos para investir neste tipo de pesquisa, não haverá condições equitativas para o tratamento do câncer, nem qualquer tratamento oferecido pelo estabelecimento médico convencional. O que podemos fazer é decidir e usar a pesquisa já disponível sobre tratamento natural do câncer para tomar nossas decisões de tratamento sem deixar que o oncologista tenha o domínio total do tratamento e decida sozinho.
          Existem dezenas de milhares de estudos que mostram que há fitossubstâncias naturais que podem prevenir e / ou tratar câncer, pelo menos no modelo in vitro (tubo de ensaio) e animal. Esses resultados geralmente confirmam usos tradicionais nos sistemas de medicina ayurvédica, chinesa e outros, e, portanto, podem ser bastante convincentes para indivíduos ou profissionais de saúde usar a informação para tomar suas decisões de tratamento.

 

Reduzindo o risco de doenças cardiovasculares

      Vários estudos examinaram os efeitos da Bromelina na circulação e na saúde do coração. Embora muito mais pesquisas sejam necessárias, a Bromelína demonstrou minimizar o risco de certas doenças cardíacas. Especificamente, a Bromelína pode ajudar a prevenir a coagulação sanguínea excessiva, prevenindo eventos adversos como derrame ou ataque cardíaco.

Efeitos da Bromelína no sistema cardiovascular e na circulação

        A Bromelína previne ou minimiza a gravidade da angina de peito e do ataque isquêmico transitório. É útil na prevenção e tratamento da tromboflebite. Também pode quebrar as placas de colesterol e exercer uma potente atividade fibrinolítica. Uma combinação de Bromelína e outros nutrientes protege contra lesão de isquemia / reperfusão no músculo esquelético. As doenças cardiovasculares incluem distúrbios dos vasos sanguíneos e do coração, doença coronariana (ataques cardíacos), doença cerebrovascular (acidente vascular cerebral), pressão arterial elevada (hipertensão), doença arterial periférica, doença reumática cardíaca, insuficiência cardíaca e doença cardíaca congênita. AVC e doenças cardíacas são a principal causa de morte, cerca de 65% das pessoas com diabetes morrem de AVC ou doenças cardíacas. A Bromelína tem sido eficaz no tratamento de doenças cardiovasculares, pois é um inibidor da agregação plaquetária, minimizando assim o risco de trombose arterial e embolia. King et al.  relataram que a administração do uso de medicamentos para controlar os sintomas de diabetes, hipertensão e hipercolesteromia aumentou 121% de 1988-1994 a 2001-2006 ( P<0,05) e foi maior para pacientes com menos hábitos de vida saudáveis. O suplemento de Bromelína pode reduzir qualquer um dos fatores de risco que contribuem para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. A Bromelína demonstrou apresentar capacidade de induzir cardioproteção contra lesão de isquemia-reperfusão pela via de Akt / Foxo no miocárdio de ratos.

Efeito da Bromelína na coagulação sanguínea e fibrinólise

A Bromelína influencia a coagulação do sangue, aumentando a capacidade fibrinolítica do soro e inibindo a síntese de fibrina, uma proteína envolvida na coagulação do sangue. Em ratos, a redução do nível de fibrinogênio sérico pela Bromelína é dependente da dose. Em uma concentração mais alta de Bromelína, tanto o tempo de protrombina quanto o tempo de tromboplastina parcial ativada são marcadamente prolongados. Estudos in vitro e in vivo sugeriram que a Bromelína é um agente fibrinolítico eficaz, pois estimula a conversão do plasminogênio em plasmina, resultando no aumento da fibrinólise pela degradação da fibrina. 

Uma PROTEÇÃO para o coração

A Bromelína também tem um efeito positivo na saúde dos vasos sanguíneos. Impede que as plaquetas se colem, protegendo assim o coração. Pode ser usado na doença arterial coronariana. Quando tomado com Potássio e Magnésio, reduz o risco de ataque cardíaco.

 

Bromelína alivia a osteoartrite

          A osteoartrite é a forma mais comum de artrite nos países ocidentai. A prevalência de osteoartrite varia de 3,2 a 33%, dependendo da articulação. Uma combinação de Bromelína, Tripsina e Rutina foi comparada ao Diclofenaco em 103 pacientes com osteoartrite do joelho. Após seis semanas, ambos os tratamentos resultaram em redução significativa e semelhante na dor e inflamação. A Bromelína é um suplemento alimentar que pode fornecer um tratamento alternativo aos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs). Ele desempenha um papel importante na patogênese da artrite. A Bromelína tem propriedades analgésicas que se acredita serem o resultado de sua influência direta nos mediadores da dor, como a Bradicinina. Os primeiros estudos relatados investigando a Bromelína foram uma série de relatos de casos em 28 pacientes, com osteoartrite ou reumatoide moderada ou grave.

Papel da Bromelína na cirurgia

      A administração de Bromelína antes de uma cirurgia pode reduzir o número médio de dias para o desaparecimento completo da dor e inflamação pós-cirurgia. Os ensaios indicam que a Bromelína pode ser eficaz na redução do inchaço, hematomas e dor em mulheres submetidas à episiotomia. Atualmente, a Bromelína é usada no tratamento de inflamações agudas e lesões esportivas.

Função da Bromelína em queimaduras de desbridamento

          A remoção de tecido danificado de feridas ou queimaduras de segundo/terceiro grau é denominada desbridamento. A Bromelína aplicada como um creme (35% de Bromelína em uma base lipídica) pode ser benéfica para o desbridamento do tecido necrótico e aceleração da cicatrização. A Bromelína contém escarase, que é responsável por este efeito. A escarase é não proteolítica e não tem atividade enzimática hidrolítica contra o substrato de proteína normal ou vários substratos de glicosaminoglicano. Sua atividade varia muito com diferentes preparações. Em dois diferentes estudos de desbridamento enzimático realizados em modelo suíno, utilizando diferentes agentes à base de Bromelína, a saber, Debriding Gel Dressing e Debrase Gel Dressing mostrou uma rápida remoção da camada necrótica da derme com preservação dos tecidos não queimados. Em outro estudo em porcos chineses, o desbridamento enzimático usando Bromelína tópica em traçados de feridas incisas acelerou a recuperação da perfusão sanguínea, pO 2 no tecido da ferida, controlou a expressão de TNF- α e aumentou a expressão de TGT- β. O desbridamento enzimático com Bromelína é melhor do que o desbridamento cirúrgico, pois a incisão cirúrgica é dolorosa, não seletiva e expõe os pacientes ao risco de anestesia repetida e sangramento significativo.

        Em conclusão, a Bromelína é um suplemento bioquímico potencial que pode fornecer opções terapêuticas para o manejo da PN. Suas propriedades antialodínicas, antihiperalgésicas e anti-anxiodepressivas correspondem às da Gabapentina, tradicionalmente usada no tratamento da PN. O pré-tratamento com Bromelína oferece efeitos antinociceptivos mais significativos no tratamento de NP induzida por CCI em ratos em comparação com Gabapentina. Os efeitos antinociceptivos da Bromelína mediaram sua melhora da neuroinflamação por meio da inibição dos mediadores pró-inflamatórios. Isso serve como um mecanismo eficaz que sustenta seus efeitos atenuantes na alodínia, hiperalgesia e comorbidade da dor neuropática. A superioridade dos efeitos anti-inflamatórios da Bromelína em comparação com a Gabapentina talvez seja sua vantagem crucial sobre a Gabapentina.

    Neste estudo, a Bromelína melhorou a hiperalgesia e os sinais alodínicos na neuropatia periférica induzida por CCI em ratos Wistar machos. Isso seguiu a tendência de pesquisa anterior. Há evidências de sinais de comorbidade do tipo ansiedade e depressão em ratos com neuropatia periférica induzida por CCI. Ansiedade e depressão são déficits emocionais comórbidos comuns que estão associados a pacientes neuropáticos que afetam adversamente a qualidade de vida do paciente. O uso de campo aberto e labirinto elevado plus na análise de comportamento semelhante a ansiedade e depressivo em roedores foi bem documentado. O estudo revelou que apenas uma alta dose de Bromelína foi eficaz para reverter os comportamentos de ansiedade e depressão. Foi observado que o pré-tratamento com Bromelína produziu melhor efeito anti-comorbidade, o que sugere que a Bromelína pode ser usada principalmente como agente terapêutico e profilático.O tratamento com Bromelína reverteu os aumentos nas concentrações dos mediadores inflamatórios. Eentende-se, portanto, que o efeito antinociceptivo da Bromelína seja mediado por suas propriedades anti-inflamatórias.

      Os efeitos inibitórios pró-inflamatórios da Bromelína também podem ser responsáveis ​​pelas reduções observadas na concentração de glutamato. O glutamato é um neurotransmissor excitatório que medeia a percepção da dor. Citocinas pró-inflamatórias, como IL-1β, promovem a liberação de glutamato nos nervos aferentes, que medeiam a sensibilização central.

Efeitos da Bromelína na diarreia

       As evidências sugerem que a Bromelína neutraliza alguns dos efeitos de certos patógenos intestinais, como Vibrio cholera e Escherichia coli, cuja enterotoxina causa diarreia em animais. A Bromelína parece exibir este efeito ao interagir com as vias de sinalização secretória intestinal, incluindo adenosina 3 ′: 5′-monofosfatase cíclica, Guanosina 3 ′: 5′-monofosfatase cíclica e cascatas de sinalização dependentes de cálcio. Outros estudos sugerem um mecanismo de ação diferente. Em E. coli-infecção, uma suplementação ativa com Bromelína leva a alguns efeitos antiaderentes que evitam que as bactérias se liguem a receptores glicoproteicos específicos localizados na mucosa intestinal, modificando proteoliticamente os locais de fixação do receptor.

Enzima do Abacaxi mata câncer

Poderia um extrato de fruta de Abacaxi ser mais seguro e mais eficaz do que um agente de quimioterapia de sucesso?

          De vez em quando, um estudo aparece no banco de dados de citação bibliográfica da Biblioteca Nacional de Medicina conhecida como MEDLINE que não só confirma a relevância terapêutica de substâncias naturais no tratamento do câncer, mas as que mostra o risco das terapêuticas convencionais.

Publicado em 2007 na revista Planta Medica, os pesquisadores descobriram que uma enzima extraída da haste do Abacaxi conhecida como Bromelaína ou Bromelína era superior ao 5-fluorauracilo de chemo-agente no tratamento de câncer no modelo animal. Os pesquisadores declararam: A bromelina de Abacaxi tem propriedades antitumorais superiores ao agente quimico 5-fluorouracilo. Atividade antitumoral in vivo do caule de ananás, bromelína. A evidência existente indica que a Bromelína pode ser um candidato promissor para o desenvolvimento de futuras terapias enzimáticas orais para pacientes oncológicos

Fonte: Planta Med. 2007 Oct; 73 (13): 1377-83. Epub 2007 24 set. PMID: 17893836 Publicado 01/10/2007 Tipo de estudo: estudo em animais

 

Aproveite as incríveis propriedades curativas do Abacaxi, pois como diz, um estudo,  o Abacaxi mata o câncer sem te matar.

    O Abacaxi foi usado na medicina popular para uma ampla gama de doenças; usos que somente agora estão sendo confirmados através de métodos científicos modernos.

    Enquanto a maioria de nós sabe que o Abacaxi é uma deliciosa fruta tropical e poucas pessoas na atualidade têm consciência de seus poderes formidáveis de cura, os povos indígenas o usavam para tratar uma variedade de doenças. Infelizmente, grande parte desse conhecimento  foi considerado pelos primeiros antropólogos uma mera "superstição" e, posteriormente desconsiderada.

    Felizmente, a pesquisa sobre as propriedades medicinais do Abacaxi acumulou progressivamente ao longo das últimas décadas, ao ponto em que o sistema médico convencional tem sido obrigado a tomar conhecimento.

     A Bromelína, por exemplo, é um extrato de enzima que digere as proteínas do ananás, e tem ainda sido considerado superior ao agente de quimioterapia  5-fluorouracil altamente tóxica como agente antitumor em estudos pré-clínicos. "Este efeito antitumoral do Bromelína foi superior ao de 5-FU [5-fluorouracil], cujo índice de sobrevivência foi de aproximadamente 263%, em relação ao controle não tratado".

       O que é tão notável sobre esta pesquisa é que 5-FU tem sido usado como um tratamento contra o câncer por quase 40 anos e tem sido relativamente infrutífero devido à sua seletividade menos do que perfeita em matar câncer, muitas vezes matando e / ou prejudicando irreversivelmente células saudáveis.

 

    As folhas do pé de Abacaxi tem propriedades antidiabética: Todas as partes da planta de Abacaxi tem valor potencial. A folha foi estudado como sensibilizador de insulina e / ou propriedades antidiabéticas.

 

     As folhas do pé de Abacaxi bate o remédio do colesterol: pesquisa pré-clínica indica que as folhas de Abacaxi pode modular a síntese de colesterol  de maneira semelhante às estatinas, mas provavelmente sem os mais de 300 conhecidos efeitos adversos à saúde da classe estatina química de drogas.

 

Uma rica fonte de Melatonina:
Abacaxi tem sido identificado como uma das mais ricas fontes de Melatonina nas dietas testada (batendo a laranja e banana), capaz de causar elevações significativas do nível de sangue, chegando duas horas após a ingestão.

 

As partes não é superior ao todo
 
Tenha em mente que os benefícios do
Abacaxi inteiro não pode ser reduzido a um constituinte singular como a Bromelína, não importa o quão impressionante ela seja. Tal como acontece com a maioria das coisas no reino da nutrição, o todo é mais que a soma das partes.

Suco de Abacaxi e folhas, por exemplo, têm benefícios adicionais não encontrados na Bromelína sozinha.
 

 

Cautela:
       As propriedades fibrinolítica da Bromelína contribui para afinar o sangue, por isso, quem tomar medicamentos para afinar o sangue deve ter cuidado, especialmente quando se consome parte do núcleo rico em Bromelína.
Além disso, a Bromelína tem a capacidade de aumentar a absorção de outros nutrientes e medicamentos, devido à sua capacidade de modular a permeabilidade intestinal. Isso pode ser uma coisa boa, por exemplo, se alguém está tentando absorver mais de uma erva terapêutica ou nutriente, mas uma coisa ruim se não se deseja aumentar a absorção de remédio.

 

Absorção e biodisponibilidade

         O corpo pode absorver uma quantidade significativa de Bromelína; cerca de 12 g/dia de Bromelína podem ser consumidos sem maiores efeitos colaterais. A Bromelína é absorvida pelo trato gastrointestinal em uma forma funcionalmente intacta; aproximadamente 40% da Bromelína marcada é absorvida do intestino na forma de alto peso molecular. Em um estudo realizado por Castell et al. Bromelína foi detectada a reter a sua atividade proteolítica no plasma e também foi encontrada associada com alfa-2 macroglobulina e alfa-1 antiquimotripsina, os dois antiproteinases de sangue. Em um estudo recente, foi demonstrado que 3,66 mg /ml de Bromelína permaneceu estável no suco estomacal após 4 horas de reação e também 2,44 mg /ml de Bromelína permaneceu no sangue artificial após 4 horas de reação.

       Está provado que a Bromelína é bem absorvida pelo corpo após administração oral e não tem efeitos colaterais importantes, mesmo após uso prolongado. Todas as evidências revisadas neste artigo sugerem que a Bromelína pode ser usada como um suplemento de saúde eficaz para prevenir câncer, diabetes e várias doenças cardiovasculares a longo prazo.

Será que o Abacaxi pode ser uma nova arma contra o Covid-19?

     Os resultados de uma pesquisa recente nos Estados Unidos indicam que o caule de Abacaxi rico em Bromelaína ou Bromelína pode ser utilizado como um agente antiviral contra a doença por corona vírus (Covid-19), mas também para potenciais surtos de corona vírus futuros.

     A doença por corona vírus 2019 (Covid-19) é causada pela síndrome respiratória aguda grave coronavírus-2 (SARS-CoV-2). A interação inicial entre a proteína do pico SARS-CoV-2 (S) ativada pela Serina Protease 2 Transmembrana (TMPRSS2) e a enzima conversora de angiotensina 2 da célula hospedeira (ACE-2) é uma etapa de pré-requisito para esta nova patogênese do corona vírus. Aqui, expressamos um SARS-CoV-2 S-Ectodomínio marcado com GFP em células de inseto Tni. Que continha N- e O-glicanos enriquecidos com ácido Siálico. O plasma de ressonância de superfície (SPR) e o ensaio Luminex mostraram que o S-Ectodomínio purificado se liga ao ACE-2 humano e imunorreatividade com amostras positivas para Covid-19. Demonstramos que o tratamento com Bromelaína (isolada do caule do Abacaxi e usada como suplemento dietético) diminui a expressão de ACE-2 e TMPRSS2 em células Vero E6 e reduz drasticamente a expressão de S-Ectodomínio. É importante ressaltar que o tratamento com Bromelaína reduziu a interação entre as células S-Ectodomínio e Vero E6. Mais importante ainda, o tratamento com Bromelaína diminuiu significativamente a infecção por SARS-CoV-2 em células Vero E6. Em conjunto, nossos resultados sugerem que o caule de Abacaxi rico em Bromelaína pode ser usado como antiviral contra Covid-19.

Publicado em 17 de setembro de 2020.Este empolgante artigo está atualmente disponível no servidor de pré-impressão bioRxiv . Por Dr. Tomislav Meštrović, MD, Ph.D.17 de setembro de 2020

História da  enzima Bromelína

       O Abacaxi tem uma longa tradição como planta medicinal entre os nativos da América do Sul e Central. O primeiro isolamento da Bromelína foi registrado pelo químico venezuelano Vicente Marcano em 1891 por meio da fermentação do fruto do Abacaxi. Em 1892, Russell Henry Chittenden, assistido por Elliott P. Joslin e Frank Sherman Meara, investigou o assunto mais completamente e o chamou de 'Bromelaína'. Mais tarde, o termo 'Bromelaína' foi introduzido e originalmente aplicado a qualquer protease de qualquer membro da família de plantas Bromeliaceae.