Dores

      A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 80% da população sofrem ou que sofrera de lombalgia, ou de cervicalgia que é uma dor que surge na coluna. Para tentar se livras das dores as pessoas gastam bilhões de dólares ao ano em remédios não comprovado que incluem desde colchões e braceletes magnéticos a alguns fitoterápicos. Esses “colchões e braceletes” não dão alívio a longo prazo e não passam de “produtos paliativos”.

 

     As dores na coluna vertebral, genericamente conhecidos como dorsalgias, cervicalgia e lombalgias são caracterizadas por dor crônica, acompanhada ou não por alterações objetivas e que se manifesta principalmente no pescoço, cintura escapular e/ou membros superiores em decorrência do trabalho, podendo afetar tendões, músculos e nervos periféricos.

 

     No Brasil estes distúrbios já constituem atualmente, a segunda maior causa de afastamento de trabalhadores, segundo dados oficiais.

          Sabe-se que essas dores gera milhões de consultas médicas e impõe às empresas milhões de dias de trabalho perdidos anualmente. Os prejuízos econômicos chegam à cifras bilionárias anuais. Nos Estados Unidos, a lombalgia é a causa mais comum de limitação de atividades entre pessoas com menos de 45 anos, é a segunda razão mais frequente para visitas médicas, a quinta causa de admissão hospitalar e a terceira causa de procedimentos cirúrgicos. Ela atinge principalmente a população em idade economicamente ativa, podendo ser altamente incapacitante e é uma das mais importantes causas de falta ao trabalho.  

 

As dores lombares crônicas devem ser tratadas como um problema de saúde pública.

      As dores lombares atingem níveis epidêmicos na população em geral. Sendo que, em países industrializados, sua prevalência é estimada em torno de 70%. Segundo especialistas cerca de 10 milhões de brasileiros ficam incapacitados por causa destas dores e pelo menos 80% da população sofrerá um episódio desse tipo de dor no decorrer da sua vida. Este tipo de dor contínua por longo período de tempo afeta muitos aspectos da vida, podendo levar a distúrbios do sono, depressão, irritabilidade e, em casos extremos, ao suicídio.

 

A procura por tratamento de dores lombares crônicas aumenta a cada dia.

           É grande a quantidade de tempo e recursos gastos com os pacientes com este tipo de dor. A demanda em hospitais e clínicas ocasiona um aumento no custo de despesas com cuidados com a saúde. O custo de tal demanda é um ônus a mais para os cofres públicos e privados, pois o governo, as indústrias e a sociedade devem arcar com essas despesas.

 

          Frequentemente a dor lombar crônica não decorre de doenças específicas, mas sim de um conjunto de causas, como por exemplo, fatores comportamentais tais como, pouca atividade física, sedentarismo, exposições ocorridas nas atividades cotidianas tipo posição viciosa, movimentos repetitivos e outros. Ela pode ser causada por doenças inflamatórias, degenerativas, defeitos congênitos, debilidade muscular, predisposição reumática, sinais de degeneração da coluna ou dos discos intervertebrais e outras.

 

Com a Fitotermoterapia, uma dor, seja ela incapacitante, crônica, aguda ou lancinante, pode ser eliminada em poucos minutos .

 

Veja recursos que ajudam a eliminar dores em fitotermoterapia


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pesquisar no site

Ervas Medicinais Fonte de Saúde e Longevidade

Ervas Medicinais Fonte de Saúde e Longevidade